Está aqui

Comentários efectuados por Sofia Santos

  • Sofia Santos comentou a entrada "o amor impossível " à 12 anos 3 meses atrás

    Olá Leonardo,
    Tal como já foi dito, eu escrevi um texto no meu blog relacionado com este tema. Eu realmente já gostei de rapazes normovisuais e nunca tive sorte com nenhum. Já passei por uma faze, no início da minha adolescência, em que punha essa culpa na minha cegueira: "ah, ele não gosta de mim porque eu n vejo." Era esta a minha forma de pensar quando eu tinha 12 anos mas as coisas não são verdadeiramente assim. Podem aliás, existem pessoas que nos discriminam, é verdade. Mas não podemos pôr na nossa cabeça que toda a gente é assim. Nesse caso, quem está a regeitar a cegueira somos nós próprios.
    Gostaria também de lhe dizer que uma mulher não é nenhuma empregada doméstica, esses tempos já acabaram, felismente. Conheço uma pessoa cega que até vive sozinha e que é super asseada. Nós não somos nenhuns inválidos, conseguimos fazer praticamente tudo o que uma pessoa normovisual faz. Claro, existem sempre momentos em que necessitamos de alguma ajuda mas, afinal, quem é que neste mundo não precisa de ajuda em determinados momentos, sejam eles quais forem?
    Queira uma mulher que o ame, isso é o mais importante.
    Beijinhos

  • Sofia Santos comentou a entrada "A Complexidade dos Sentimentos" à 12 anos 4 meses atrás

    Olá Géssica
    Pois é, a minha mãe diz-me sempre que o olhar conta muito. Não a critico por me dizer isso pois está a ser realista mas, a verdade é que, sem esse olhar as coisas tornam-se um pouco mais difíceis de avaliar, diguemos assim. Não digo isto por ter algum complexo devido ao facto de ser cega, muito pelo contrário. Resolvi colocar este tema pois são questões nas quais só comecei a pensar há pouco tempo atrás. Os rapazes normovisuais que conheci ao longo do meu percurso académico nunca se aproximavam muito e agora deparei-me com o contrário, não só da parte dos rapazes mas da gente em geral. Há muita diferença em relação ao ensino secundário, por exemplo. Acho que foi exactamente essa mudança que me levantou este tipo de dúvidas.
    Cumprimentos e obrigada pelo comentário. É sempre bom compartilhar opiniões.

  • Sofia Santos comentou a entrada "As promessas da musicografia Braille" à 12 anos 5 meses atrás

    Olá,
    Bem, eu aprendi musicografia braille directamente em braille. Eu sei da existência de um manual de musicografia braille em formato digital mas está dirigido a professores e não está acessível.
    Penso que seja um pouco complicado aprender musicografia braille sem usar o braille mas bm, isto é a minha opinião. De qualquer forma, se tiver alguma dúvida pode perguntar.
    Cumprimentos

  • Sofia Santos comentou a entrada "Namoro entre cegos e entre um cego e um normovisual: Quais as diferenças?" à 12 anos 5 meses atrás

    Olá,
    Concordo inteiramente consigo! Só tenho pena que muita gente não pense dessa forma. Há muitos normovisuais que não se imaginam com uma pessoa cega, o que para mim é uma parvoisse ou até ignorância e discriminação.
    Na minha opinião, todos os cegos que digam que é impossível uma pessoa normovisual namorar om eles, acabam por estar a regeitar a sua própria cegueira, tal como eu fiz há uns anos atrás, quando tinha mais ou menos 12 anos. Devido à regeição da minha cegueira acabei por pôr na cabeça que um rapaz de quem eu gostava na altura não gostava de mim pelo facto de eu ser cega. Essa fase já passou mas infelizmente a verdade é que há gente assim, só não podemos pensar que isso é um mal geral e que por esse motivo nenhum normovisual se possa apaixonar por uma pessoa cega.
    Cumprimentos

  • Sofia Santos comentou a entrada "Namoro entre cegos e entre um cego e um normovisual: Quais as diferenças?" à 12 anos 6 meses atrás

    Olá,
    Bem, felismente este ano tenho uma turma fantástica. Entrei este ano para a faculdade e as coisas têm sido bem diferentes. Eu tive uma experiência horrível mas foi com a minha turma do ano passado, ou seja, no meu 12º ano.
    Ao contrário da minha turma que eu tive no ano passado, este ano encontro-me perfeitamente integrada na minha turma. Dou-me bem com eles, sou tratada e penso que sou vista como uma pessoa qualquer e quando eles saem eu vou também! Quero eu dizer com isto que aqui já não sou posta de parte e também não sou tratada como uma coitadinha e sinto-me muito feliz por isso.
    Em relação aos trabalhos de grupo, já não fazemos uns em casa dos outros mas, de qualquer forma, eu faço sempre os possíveis por mostrar que sou uma pessoa como outra qualquer, até porque é assim que eu me sinto. Não podemos aproveitar-nos da cegueira para chamar a atenção de outras pessoas pois assim seremos tratados como coitadinhos mas também não podemos ser arrogantes perante ninguém só para mostrarmos que somos autónomos. O melhor a fazer é agirmos como outra pessoa qualquer no nosso dia-a-dia. Claro, há sempre alturas em que precisamos de ajuda em coisas que se tornem demasiado complicadas devido à falta de visão mas, se virmos bem, toda a gente precisa de ajuda em algo.
    Bem, espero não ter fugido muito ao assunto e não ter sido muito repetitiva.
    Cumprimentos

  • Sofia Santos comentou a entrada "Namoro entre cegos e entre um cego e um normovisual: Quais as diferenças?" à 12 anos 6 meses atrás

    Olá Luís,
    Estou de acordo com o que disse até agora apesar de por vezes não me expressar da forma que eu queria nos comentários que faço.
    Digo-lhe que estive muito indecisa em relação aà questão de escrever ou não este texto mas agora vejo que não tomei a decisão errada. Tudo isto também me tem ajudado a reflectir e a criar uma opinião mais consolidada. É muito bom aprendermos algo com os exemplos de outras pessoas, sejam eles bons ou maus e eu, apesar de muita gente me considerar mais madura do que a maior parte das pessoas da minha idade (tenho 19 anos), acredito que ainda tenho muita coisa para aprender. É muito bom saber que estão a gostar do tema.
    Beijinhos.

  • Sofia Santos comentou a entrada "Namoro entre cegos e entre um cego e um normovisual: Quais as diferenças?" à 12 anos 6 meses atrás

    Caro anónimo, eu percebo a sua opinião mas penso que nenhum cego se deveria acomodar apenas por que tem ajuda de algum normovisual. Aliás, nenhum cego se deve acomodar para seu proveito. Não podemos estar dependentes de ninguém, a não ser naquelas coisas estritamente necessárias. Por isso, não penso que um cego se torne comodista apenas porque namora com alguém normovisual. Claro que há muitos que o fazem mas não penso que esse seja um motivo para se tornar preferível pessoas com deficiência namorarem com pessoas com igualdade de circunstâncias.
    Cumprimentos

  • Sofia Santos comentou a entrada "Namoro entre cegos e entre um cego e um normovisual: Quais as diferenças?" à 12 anos 6 meses atrás

    Concordo plenamente contigo, Ticha.
    Fizeste muito bem em falar um pouco da tua vida pois isso ajuda-nos a perceber melhor a tua opinião e a reflectir.
    Estou plenamente de acordo contigo. Acho que, para que alguém nos valorise, precisamos de nos valorisar primeiro! Não podemos ser pessimistas pois isso só nos deita abaixo e deixa-nos com um sentimento de inferioridade que acabamos por transmitir a quem se encontra à nossa volta e aí sim, acabam por olhar-nos como uns coitadinhos (detesto esta expressão).
    Como tu disseste, é absolutamente normal sentirmos receio de não sermos correspondidos por uma pessoa normovisual mas não podemos viver "agarrados" a essa ideia .
    Temos de mostrar a nossa força de vontade, a nossa coragem e, sobretudo, a nossa igualdade perante os demais, ou seja, para que nos vejam por dentro e não apenas por fora.
    Beijinhos

  • Sofia Santos comentou a entrada "Namoro entre cegos e entre um cego e um normovisual: Quais as diferenças?" à 12 anos 6 meses atrás

    Olá,
    Sim, concordo inteiramente com a sua opinião mas nem sempre é fácil. Há muita gente que fala de mim aos pais, por exemplo mas que, se vão na rua e passam por mim nem olá me dizem. Não consigo compreender isso.
    Eu própria, em conjunto com os professores organizámos algo do género, ou seja, tentar criar um convívio entre cegos e normovisuais mas nem isso resultou com os meus colegas. Fui praticamente posta de parte e ainda me disseram na cara que, quando os professores faziam mais pressão para eles andarem comigo era quando menos lhes apetecia, nunca vou esquecer esta frase. Se ainda há discriminação a este nível, quanta haverá no amor... Claro, acredito que nem sempre seja assim, há sempre gente que consegue olhar para nós e ver-nos como outra pessoa qualquer, sem pensar que somos uns coitadinhos, etc. Acho que é necessário fazer algo para que esta sociedade deixe de olhar para nós com pena, constragimento e por aí adiante.
    Beijinhos

  • Sofia Santos comentou a entrada "Uma nova esperança" à 12 anos 6 meses atrás

    Olá Marta,
    Foi recentemente adicionada uma página no lerparaver sobre este tratamento mas posso já dizer-lhe que em primeiro lugar precisam do estudo genético.
    Quanto à não aceitação, também já passei por ela, não por causa da minha família mas por mim própria. Foi uma fase complicada mas que hoje já está ultrapassada. Tudo na vida tem as suas vantagens e desvantagens e todos nós temos de aprender a lidar com isso.
    Beijinhos.
    Sofia Santos

Páginas



21 a 30 de 53