Está aqui

Comentários efectuados por tiagduarte

  • tiagduarte comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Ana!

    Hehehe... mais uma Ana no nosso meio, loool.

    Olha amiga, também cheguei a ter esses problemas que relataste com a minha família, e não foi por isso que, graças a Deus, me deixei abater. Hoje também trabalho, fui para Lisboa alguns tempos (o que era impensável por parte de todos). Por isso segue em frente nos teus objectivos, e quanto mais conseguires mostrar-te firme nas tuas decisões aos que te rodeiam, melhor, mesmo que no fundo tenhas alguns receio; porque a vida é um risco, e um dia temos de dar um passo.

    Entretanto, já te adicionei no msn para nos conhecermos melhor.

    Beijinhos e até breve!

    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "As Coisas Que Fazem Falta" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá, minha gente.

    Tal como a Patrícia, também frequentei uma escola dita especial somente do primeiro até ao 5º ano. Se senti muitas dificuldades em integrar-me na especial (uma vez que os colegas também cegos não me queriam deixar participar em certas brincadeiras), no ensino normal vi-me às aranhas para ultrapassar certos obstáculos, pois ainda não tinha em mim a humildade de pedir ajuda e, quando pedia a certos colegas, diziam a outros para o fazer até que me tornei bastante agressivo e depois quase ninguém se aproximava de mim.

    Felizmente houve tempos felizes, nos quais amadureci e me senti, quanto mais não seja, homem, pois tive pessoas que me ouviam, com quem podia contar as minhas angústias, etc., e aí é que pude ir recuperando a minha auto-estima.

    Isto para vos dizer o quê? Precisamente, que as pessoas tanto podem ser iguais a elas próprias num local frequentado com pessoas com o mesmo tipo de limitações ou não. O que é fundamental para a sua integração é o apoio recebido e o acompanhamento prestado.
    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "II Reflexão" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Ana!

    Concerteza que essa tua forma de pensar é bem vinda, mas, eis uma questao... O governo não cortou o nº de vagas para o ensino especial? É que, se isso ainda se manter, só acho viável concorrer a nível particular!

    Ah, e já agora, fica aqui outra ideia... seria muito importante que esses professores tivessem vocação para aquilo a que se candidatam, caso contrário poderia chegar-se ao ponto em que o mais importante não era ensinar o cego a assinar, andar com a bengala, etc, etc., mas sim, simplesmente a traduzir textos e o resto é treta, como chegou a acontecer a um amigo meu, ou então quando algumas coisas eram ensinadas, foram feita de forma contrária segundo as normas, como pegar na bengala com a mão esquerda!

    Beijinhos!
    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Jorge.

    Amigo a falar é que a gente se entende, neste caso a teclar, lol, e quem sabe se esta discussão que estamos a ter não ajuda alguém nas suas decisões?

    Amigo, felizmente hoje em dia, se estivermos num meio com acessos podemos perfeitamente ir às compras, já que podemos sempre contar com a ajuda dos funcionários do supermercado, por exemplo.

    A questão das pessoas com cegueira adquirida, reconheço que pode ser mais complexa, mas também lhe digo que cada caso é um caso, e tudo depende da aceitação por parte desta em aceitar a sua cegueira e querer prosseguir em frente na vida, e só não falo na reabilitação (que também tem a sua importância, concerteza) porque acho que em muitos casos pode ser feita com a maior das facilidades, dependendo das experiências em certas tarefas que a pessoa tenha adquirido antes d cegar.

    Uma dona de casa, por exemplo, que antes de cegar cozinhava, depois da reabilitação pode continuar a fazer o mesmo com tanta ou mais facilidade do que o fazem pessoas congénitas.

    Já lidei com várias pessoas com essa história de vida, digamos assim, daí esta minha opinião.

    Um abraço,

    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "O meu projecto" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Marco!

    Eh pá, houve aqui uma confusão da tua parte, não? lol. Pois, porque quem tem problemas auditivos sou eu, e não a Sofia, autora do projecto!

    Sim, de facto a música está presente em toda a nossa vida, se formos a ver. Como diz uma música da Dina, «Há sempre música entre nós».

    Pois, pois... os instrumentos de ressonância e cujas vibrações são mais próximas do corpo dão grande ajuda às pessoas com deficiência auditiva, sem dúvida. Para quem não sabe, o grande Beethoven, apesar de surdo, compòs grandes sonatas, e era nas vibrações que se apoiava, o que para mim é fantástico, pois requer ter o máximo de sensibilidade para a qualidade sonora, no que concerne às vibrações, é claro.

    Felizmente, não preciso de fazer um implante coclear, dado que sem aparelhos ainda oiço 60%, e com eles perto de 90. O que tinha mais dificuldade era mesmo nos ditados melódicos a três vozes, muitas das vezes em captar a voz intermédia... Aquilo é bonito, mas... ou a pessoa ouve mesmo todas as notas (antes de perceber que nota é) ou então, arrisca-se a estar tramado com a nota do exame ou teste... Percebes agora onde estava a minha dificuldade? lol.
    Um abraço.

    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Jorge!

    Permita-me que comente a sua mensagem citando o que escreveu.

    Jorge Escreveu:
    É realmente importante que não haja preconceito,
    contudo, todos os temos e o pior é acharmos que somos totalmente exentos deles

    Tiago: claro amigo, mas quando o conhecimento e a observação das realidades é bem evidente, ele vai desaparecendo. .

    Jorge Continuou: Eu, por exemplo, confesso que pensaria duas vezes antes de querer viver
    com uma pessoa cega. Mas,não é por preconceito, mas por questões de ordem prática.

    Tiago: quer dar-me um exemplo?É claro que não estou a dizer que nós, cegos, somos totalmente autónomos; somos como outras pessoas que têm visão normal, com mais ou menos experiência em determinadas áreas, conforme a nossa aprendizagem em casa e nos CENTROS DE REABILITAÇÂO que temos ao nosso dispòr, ou mesmo em casa...

    Jorge continuou: Eu a ver 10 por cento e a minha mulher a ver zero por cento, como iria ser a vida no dia a dia?

    Tiago: claro que não era fácil (mas quem disse que a vida é fácil? lol). Concerteza que não haveria um carro em que vocês podessem conduzir e fossem onde muito bem entendessem, com aquele comodismo todo, lol, mas se vivessem num sítio com acessos, já não precisavam do carro para nada, e as coisas, com um pouco de paciência e com base no que disse acima, podiam resolver-se normalmente. Portanto, tudo depende dos meios à vossa disposição!Vivo com uma companheira também cega total, e uma das coisas que nos faz mais falta é a companhia de familiares. Ela vai-se desenrrascando na cozinha, eu vou dando «os primeiros acordes» nessa arte, e assim se vai vivendo a vida!

    Continuou: Claro que tenho a certeza de que, se me apaixonasse por uma mulher cega, tudo isso perderia o sentido porque o amor, realmente, esorta a inteligência, anima
    a vontade, desperta a fé e quebra as limitações.

    Ena, fantástico o que disse!Realmente havendo amor verdadeiro, tudo se vai ultrapassando e determinadas dificuldades do dia-a-dia, através da partilha de saberes entre as pessoas, vão diminuindo. Pena que isso por vezes seja uma utopia, mas... é a vida! As pessoas, crescendo com as limitações e vencendo-as, geralmente tornam-se mais fortes e maduras!

    Jorge Continuou: A minha mulher vê quase normalmente, mas tem um problema visual que, se as coisas correrem muito mal, pode redondar em cegueira, embora isso esteja praticamente
    fora de cogitação. Mas, uma coisa eu digo! Mesmo que ela ficasse cega, não me passaria pela cabeça separar-me dela por causa disso! E não seria por gratidão
    devido ao facto de ela estar comigo mesmo eu vendo somente dez por cento. Seria pelo amor que tenho a ela e que ela tem a mim!

    Tiago: muito bem, Deus queira que a cegueira não seja uma realidade para a sua mulher, e digo isto porque também não desejei ser cego, . Espero também que o vosso amor dure por muitos anos e que esteja presente nos bons e maus momentos!Quem dera a muitas pessoas viver assim!
    Cumprimentos.

    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "PROBLEMAS NAS RELAÇÕES FAMILIARES OU NO NAMORO, QUE ENVOLVAM A DEFICIÊNCIA VISUAL" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Jorge,

    Lembro-me que este assunto já passou por aqui, salvo erro, no blog da Ana Cristina, mas como este tema é muito actual e o amigo resolveu torná-lo mais completo, vamos lá.

    Eu acho que havendo condições e sobretudo compreensão e amor, ausência de preconceito, por parte de quem nos rodeia, há sempre a possibilidade de fazer uma vida completamente normal. Para tanto é preciso que as pessoas desçam ao nível mais humilde em admitir que os cegos/amblíopes e outras pessoas com outra deficiência têm direito a ter os mesmos sentimentos do que as outras pessoas.

    Já passei por todos estes problemas, pois os meus familiares não aceitavam bem o namoro com uma pessoa cega, mas aos poucos isso foi posto de lado. O que é preciso é insistir e mostrar firmeza nas nossas decisões.
    Cumprimentos.
    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "Apresento-me" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Ana,

    Gostei da tua apresentação. Só não gostei muito de seres do FCP, mas pronto... como diria o outro, não podemos ser perfeitos em tudo! looool.

    Também sou amigo do meu amigo, e procuro partilhar e aprender algo com cada um que cruza o meu caminho. Por isso, Quem me quiser adicionar, incluindo tu,é claro, aqui tens o meu mail e msn:
    tiagoduarte.pt@gmail.com
    Beijinhos e continua a escrever.

    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "Dar cor ao mundo dos cegos" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá maninha! lol.

    Bem, a Ticha não é minha irmã de família, mas trato-a assim porque desde que nos conhecemos, há um enorme carinho um pelo outro, daí este tratamento! lol.

    Minha linda, é um prazer também encontrar-te neste cantinho!

    É, estou de acordo com as pessoas que já comentaram este artigo. De facto, a sensibilização para estas coisas é sempre importante, e sendo feitas também por pessoas normovisuais, dá mais ênfase!

    Olha, que tal colocares o vídeo num servidor? Se quiseres, ajudo-te a fazer isso, já sabes, né?

    Beijinhos e fica bem.

    Tiago Duarte

  • tiagduarte comentou a entrada "centro de reabilitação" à 12 anos 10 meses atrás

    Olá Tiago!

    De facto o Filipe enganou-se na pessoa, mas também não sou eu! lol!

    Também me chamo Tiago e tenho 28 anos. Sou cego de nascença e, depois de concluir o 12º ano, em Julho de 2002, queria mudar de vida, deixar de estar constantemente preso aos livros e arranjar tempo para desenvolver outras actividades que me permitissem ser mais autónomo (nomeadamente na locomoção/mobilidade), e foi com grande alegria que, em Setembro desse ano, fui chamado para o Centro Nossa Senhora dos Anjos, guardando, tal como tu, boas recordações de pessoas, aventuras, amores, etc, etc. Aliás, foi muito importante para mim ter ido para Lisboa, foi lá que vivi certas experiências que uma pessoa da minha idade já tinha vidido há muito, adquirindo certos conhecimentos que hoje são importantes para a minha vida.

    Já li os posts que tens publicado no teu blog, e acho positiva a partilha de experiências entre todos nós.
    Cumprimentos.

    Tiago Duarte

Páginas



21 a 30 de 131