Está aqui

Comentários efectuados por célia

  • célia comentou a entrada "Descriminações em mobilidade... será que os professores estão preparados para ensinar alunos cegos?" à 14 anos 2 meses atrás

    Olá Ana Cristina!
    Olá Tiago Duarte!

    Como já tive oportunidade de dizer, também sou deficiênte. Contudo n sou deficiente invisual. Quando n passo por a descriminação por ser deficiente, mulher e financeira, e estou a trabalhar, nunca me aconteceu ter de trabalhar com invisuais. Uma actividades que mais frequentemente exerco é lecionar, isto quando consigo ser colocada. Actualmente a politica de ensino refere e faz a integração das pessoas com deficiência no âmbito dos curriculuns escolares para os demais alunos. Acontece que as pessoas com deficiência são integrados nas escolas, com os demais alunos, e numa qualquer turma o dificulta a integração dos alunos na turma e com os demais colegas, n sendo a pessoa com deficiência a responsável por essa dificuldade de integração, mas sim a demais comunidade escolar constituída por professores, funcionários e alunos.
    Eu falo por mim enquanto professora, e nas dificuldades que iria ter em leccionar para todos os alunos em simultâneo, e mesmo com aulas de compensação apenas com a pessoa com deficiência, eu n conseguiria ser bem sucedida, e por mais q me esforça-se e aplicasse estratégias, dificilmente conseguiria ser bem sucedida. Este insucesso, n seria fruto de uma baixa auto estima, seria fruto de ter qualquer formação, pedagógica para leccionar os curriculuns académicos de forma adequada. O ministério da educação esquece-se q ao ser importante promover a integração das pessoas com deficiência em escolas e turmas com os curriculuns escolares nornais iguais para todos, deveria facultar a adequada formação ao docente para poder leccionar as pessoas com deficiência e ainda definir curriculuns alternativos e adequados para pessoas com deficiência. Eu pessoalmente teria inúmeras dificuldades em leccionar, uma turma onde se encontram pessoas com deficiência, porque n tenho a formação adequada. Este tipo de experiência, seria pouco proveitosa, para ambos, sobretudo para mim que seguramente por n ter a formação adequada iria com certesa prerafresear comentários, os quais n seriam adequados, criando mais obstáculos no relacionamente professora aluno estabelecido, comprometendo seriamente o progresso do aluno, para além q iria originar prováveis problemas do psico no aluno.
    As intensões são boas, mas contudo na prática e na aplicação das mesmas, o sucesso esperado n acontece, por falta de meios e sobretudo formação adequada para leccionar de forma integrada, ou em separado pessoas com deficiência. Sentir-me-ía completamente inoperacional, sem sucesso extemamente frustrada.
    Recordo-me agora de uma notícia, da altura do início do ano lectivo, quando uma criança q tem um sindroma raro, que origina graves problemas, entre outros, de visão, estando numa fase de perder em definitivo a visão.
    Recordo que a criança é de Barcelos e foi integrada numa escola do 1º cíclo do ensino bsico, onde nem sequer um professor do ensino especial existe. Pergunto-me agora como se sente esta criança q dificílmente se integrará naquela escola com os demais colegas, e o q sentirá a professora ao leccionar, sem qualquer sucesso, mesmo com q tenha utilizados todos os recursos possiveis para fazer o aluno progredir.
    Bem haja para todos vóz.
    Célia

  • célia comentou a entrada "nós e os erros no trabalho" à 14 anos 3 meses atrás

    Ana Cristina perante o teu comentário, apenas te digo o q te estão a fazer e fazem a todos os portadores de deficiência, é o resultado da má formação ética, moral e social dos Portugueses, mas em Português num e crú é puramente DESCRIMINAÇÂO...
    Erros todos cometem, só teremos de conseguir ser activos e denunciar públicamente perante todos, o nos fazem: Descriminam-nos!...
    É necessário accionar os mecanismos disponiveis, e reivindicar os nossos direitos como pessoas iguais a todos os outros e q conseguimos contornar as nossas limitações de forma a cumprir os nossos objectivos, tanto profissionais como quais quer outros. Temos de ter a força de impôr limites à falta de respeito e à descriminação q frequentemente nos impõem, e salientar q apesar das limitações conseguimos fazer o mesmo que os outros, e por isso os erros q cometemos n são mais nem menos do que os outros, e como temos limitações e estamos consciêntes disso, só teremos de salientar q se calhar deveriam pensar melhor, pq poderemos ser melhores do q os outros. Assim se temos limitações e cometemos os mesmos erros q aqueles q n têm qq limitação, teremos de ser forçosamente melhores...

    Bem haja...

    Célia