Está aqui

Empresa desenvolve caneta para deficientes visuais

por Lerparaver

A TECE ouviu especialistas no assunto e criou produto que pode substituir as regletes atuais; a empresa nasceu na Incubadora de Base Tecnológica de Rio Claro

A TECE (Tecnologia e Ciência Educacional) está desenvolvendo uma caneta especial para deficientes visuais que pretende facilitar a escrita em braille por crianças e adultos. “É um produto útil, mas que ainda não existe no mercado”, explica a bióloga Aline Piccoli Otalara, coordenadora da TECE, empresa que nasceu na Incubadora de Base Tecnológica da Unesp de Rio Claro (Incunesp).

O equipamento pode substituir o uso da reglete, que é uma prancheta e uma régua, acompanhadas de um punção utilizado para a escrita do código braille na folha de papel. Os primeiros modelos chegaram ao Brasil na década de 40 e sofreram poucas modificações. “Precisamos melhorar o design da caneta e arrumar um parceiro para produção em escala industrial”, diz Aline.

Segundo ela, o produto será importante para a inserção social de crianças em idade escolar e de adultos que perderam a visão. Atualmente, o uso da reglete obriga que a escrita seja feita no sentido inverso, ou seja, da direita para a esquerda, e o código escrito ao contrário, como se estivesse em frente a um espelho. O equipamento desenvolvido na Incunesp oferece a possibilidade de escrever da esquerda para a direita e com o código da maneira correta, facilitando a leitura simultânea.

Para desenvolver o modelo, a empresa incubada TECE fez pesquisas com profissionais e entidades especializadas no atendimento aos deficientes visuais. Entre os principais consultores, destacam-se o ex-professor da Unesp Manuel Costa Carnahyba, doutor em Educação, e que possui deficiência visual desde os quatro anos de idade, e a professora Deisy Piedade Munhoz Lopes, do departamento de Física da Unesp.

A TECE também fez uma parceria com o Instituto ParqTec de Design, de São Carlos, e enviou o projeto ao programa Pipe-Fapesp, que fornece recursos para pesquisas inovadoras nas áreas de ciência e tecnologia, desde que sejam executadas por pequenas empresas com alto potencial de retorno comercial ou social.

A intenção é que a resina e o acrílico utilizados na confecção dos protótipos sejam trocados por material de custo baixo e mais confortável aos deficientes visuais. “Nossa preocupação foi a de fazer um produto que atendesse perfeitamente às necessidades do usuário”, explica Aline. “Esperamos que o equipamento chegue ao mercado pela metade do preço de uma reglete tradicional”.

Mais informações:

Assessoria de Imprensa da Incunesp

Comentários

Gostaria de saber como ele funciona.Sei da importancia desse material para os deficientes visuais. A caneta já foi aprovada pelos deficientes? Quando ela será apresentada ao mercado?

Eu adorei a idéia e achei muito criativa, mais não entendi como essa caneta vai funcionar...

Apesar de parecer algo tridimensional e futurístico, o texto não esclarece bem o uso de tal material pelo deficiente visual.
Gostaria de mais informações, grata,
Janaína da Cunha Soares

Adorei essa ideia mas, quero saber como essa caneta vai funcionar, e se esta no mercado. Por favor me respondam o quanto antes. Obrigada.

Achei muito interessante, e como muitos, gostaria de saber como funciona a caneta

Oi !!

Já que ninguém se deu ao trabalho de investigar como funciona, e uma vez que o pessoal tá curioso, eu passo a explicar !! lol

Com a antiga reglete, o cenário era o seguinte: punha-se uma folha por baixo da régua, a régua é perfurada (tem furinhos) e depois havia uma agulha para picar a folha !! Depois virava-se a folha ao contrário e lia-se !!
Já vi N vezes pessoal a usar regletes, nas reuniões da Fraternidade Cristã !! lol

Com a tal caneta o cenário é o seguinte:
a caneta tem uma ponta vazada, e a régua em vez de ter espaços / furinhos, mas relevos
E funciona do seguinte modo:
põe-se o papel por cima da régua (ao contrário) e ao pressionar a caneta marca bolinhas nos pontos com relevo da régua
E não é preciso virar a folha para se ler

O que muda ??
O sentido da leitura: em vez de se virar ao contrário, lê-se no mesmo sentido que se escreve.

Para mais info, leiam o artigo
http://pupilavirtual.uniblog.com.br/index.php?b=37976&d=m&d2=1167616800

Espero ter ajudado !!
Abraços,
Filipe