Está aqui

Ser deficiente não é o fim do mundo - blog de Gato Silvestre

Enquanto o pau vai e vem lá vamos andando

por Gato Silvestre

Vareta, varinha, pau, em fim se fosse aqui relatar os nomes que já têm chamado à minha fiel bengala daria quase uma lista de alcunhas que se juntariam ao nome que eu próprio lhe coloquei.

Margarida é o nome da minha fiel companheira de todos os dias, não por uma razão especial mas foi assim que a baptizei. Pode não ser a única bengala com nome de gente, certamente até haverá mais algumas com o mesmo nome que ela mas pronto…

Dirão os leitores com toda a razão, “que temos nós com o nome que este dá à bengala?”, nada, mas podem crer que tudo isto vem depois de eu me ter dado ao trabalho de pensar quantos nomes já foram atribuídos a este objecto fundamental na locomoção dos cegos.

Enquanto a bengala vai e vem no seu movimento cadenciado já me perguntaram tantas vezes como um pau pode ser guia de alguém que não vê?

Bom na maioria das vezes dou-me ao trabalho de explicar mas nem preciso ver para deduzir que a incredulidade toma conta da expressão daqueles que me interpelaram sobre a utilidade daquela varinha, vareta o outro nome qualquer que resolveram chamar à minha bengala que até tem nome de flor e de mulher bonita.

Estou a reflectir em jeito de brincadeira mas podem crer que este é sem dúvida um exemplo muito sério da falta de conhecimento que a sociedade tem sobre a realidade de quem por força de uma deficiência tem de se adaptar ao meio em que vive neste caso com recurso a um pau, varinha, vareta… vá lá meus amigos! Chamem-lhe bengala que é o seu verdadeiro nome!

Comentários

Sou técnica de orientação e mobilidade, pelo que contacto diariamente com pessoas cegas que utilizam ou estão a aprender a utilizar uma bengala branca. A situação mais caricata que partilharam comigo - sobre as diversas confusões em torno da bengala, da sua utilidade e designação - foi a de um observador de uma pessoa cega que na terceira ou quarta vez que se cruzou com ela perguntou se existiam vestígios de ouro/prata no local que justificassem o detector de metais… É preciso ter paciência... e bom humor…