Está aqui

Como é ver???

por Paty
Forums:

Tenho uma pergunta muito simples, embora muito controversa a fazer.

Por diversas vezes já aqui tenho visto perguntas de normovisuais a cegos sobre o seu mundo, mas... e o inverso? Não quero ser brusca ou de modo algum desagradável, mas não se interessam pelo nosso mundo (normovisual) os cegos?!

Agradeço desde já as respostas.
Obrigada

Aqui está uma pergunta que eu sendo cego nunca fiz. mas acho queamaior parte dos cegos também nãoa fez pois tenho uma nução de como é o mundo visto por uma pessoa cega visto que eu mesmo sou invisual.

maciel

Paula escreveu:
por exemplo se pedisse para desenhar um dia atribulado numa cidade, como faria, qual a sensaçao que passaria para o papel.... tenho
muita curiosidade de tentar perceber o vosso mundo....

Diogo:
Eu dezenharia uma fénix para caracterizar o mundo dos cegos...

Marciel disse:
MAS PORQUE SERÁ QUE QUANDO NOS PERGUNTAM O QUE É QUE NÓZESTAMOS AVER NÓZ RESPONDEMOS QUE ESTAMOS AVER TUDO PRETO. SE NÓZ NUNCA VIMOS COMO É QUE PODEMOS DIZER
ISSO!

Diogo:
Isso só se pode aplicar às pessoas que já nasceram cegas.

Tadeu disse:
Quando me perguntam o que vejo, digo que os meus olhos vêem exactamente o mesmo que a palma da minha mão.

Diogo:
Pode ser uma resposta válida visto que as pessoas que dizem serem normais fazem o inverso, ou seja, tocam nos objectos com os olhos, ouvem com os olhos, etc... Uma pessoa consegue dizer a textura de um objecto (plástico ou vidro), quando ouve um barulho em vez de voltar o ouvido para descobrir o que é olha logo para ver o que se passa (se tocar o telemóvel ou celular como é conhecido no Brasil e se não souber onde ele está começa a olhar desesperadamente), etc...

Tadeu continuou:
Mas podem então perguntar o que acontece quando um cego de nascença diz que num sonho vê o mar?
Acontece que ele sonha que está à beira mar e imagina o mar como ele pensa que é ver. Certa vez eu disse à minha mãe que sonhei que vi a minha prima. Mas
recordo-me muito bem do sonho. Eu sonhei que estava próximo da minha prima e sabia exactamente onde ela estava. Então pensei que a via.

Diogo:
Felizmente que os sonhos vão paralém de um conjunto de imagens. As sensações estão também presentes. Por vezes sonhamos que estamos a cair e acordamos com aquela sensação esquisita.

Tadeu referiu:
Mas respondendo à Patty que é o objectivo desta mensagem, se é difícil compreender o que é ser cego, muito mais difícil é um cego entender o que é ser
normovisual.

Diogo:
Não concordo. Torna-se complicado comparar assim as duas coisas. Se calhar é mais fácil para uma pessoa cega entender o mundo das pessoas que dizem serem normais porque um cego está muito mais em contacto com pessoas que vêem do que o contrário.

Tadeu escreveu:
Quando era pequeno imaginava ver como sendo tocar com os olhos como tocava com as mãos. Mas sei que a realidade é bem diferente. A visão é
sintética e é melhor comparável com o ouvido e não com o tato.

Diogo:
Depende do ponto de vista. A visão pode ser vista como se fosse o estender-se do tacto. O exemplo que dei sobre objectos de vidro ou de plástico contraria o que disseste mas o do telemóvel não...

Sebastião disse:
Então quero parabenizar a todos aqueles que estão enviando comentários sobre a sua pergunta , por que com certeza contribui para uma reflexão "o que é
ver?

Diogo:
A sua pergunta não tem resposta. A diferença entre o ver e não ver não podem ser descritas por palavras. O ver e não ver simplesmente sente-se e vive-se.

Isabel referiu:
Hoje, em dia, não me resta mais nada a não ser a memória visual que tenho dessas coisas. E quando, me deparo com qualquer uma delas, sinto o que está há
minha volta e recorro logo no imediato à minha memória visual.
Quero com isto dizer, ver com os olhos ou com os outros sentidos, não é nada mais, nada menos, que aprender a viver!
Temos é que viver!

Diogo:
Concordo plenamente com o que disse. Aliás, a memória visual é um dos maiores tesouros desta vida para uma pessoa que perde a visão.

Sidarta escreveu:
Agora os deficientes visuais que perderam a visão quando ja tinham uma noção de como era muitas coisas deste mundo, que esse eu me incluo, não tem curiosidade,
pois mesmo que tivesse não teria possibilidade de participar deste mundo, visto que os normovisuais, bastam fechar seus olhos para saber como é nosso mundo...

Diogo:
Não concordo. Uma pessoa quando fecha simplesmente os olhos não sente a dor da perda da visão. Não sente o renascer de um novo mundo que se lhe abre... A cegueira tem uma grande beleza mas também se pode afirmar que é catastrófica.

Pote

Hoi, eu sou o lirio branco.
Estou a gostar muito desta conversa "Como é ver?" Ha sertas coisas que eu sempre me questionei, e que ja ouvi dizer muitas vezes. Ha quem tenha a ideia que os cegos teem um chamado sexto sentido, e que em geral ouvem melhor que as pessoas que veem. Quanto ao sexto sentido, eu posso dizer que sou uma pessoa extremamente intuitiva, que apanho muitas coisas no ar, que sinto muitas energias, a aura das pessoas, às vezes digo que tenho uma espéci de sonar como os golfinhos!:-) Mas nao sei se isso se relaciona com o facto de os meus olhos nao verem. O que eu tenho a convicsao é, que quando se pode ver com os olhos, destraimo-nos mais, tornamo-nos às vezes até um pouco superficiais.
Quando me questionam sobre o ouvido, eu acho que a falta de um sentido tém de ser compensada pelos outros sentidos, acho que Allah nos ajuda dando-nos uma audissao muito aporada, e até uma audissao musical melhor, mas nao com toda a gente. Ha quem tenha o preconseito que todos os segos cantam bém o sabem tocar um instrumento....:-)
Gostava de perguntar uma coisa aos normovisuais que leem isto. Diz-se muitas vezes que os olhos sao o espelho da alma, que se pode ler no olhar o que as pessoas sentem, e que os olhos nao mentem. Até que ponto é possivel ler no olhar? Serà que os olhos nao mentem mesmo? é mesmo possivel comunicar-se através do olhar? Que se passa com os olhares dos actores entao, como é que eles podem projectar sentimentos para os olhos?
Eu tenho a convicsao que a voz diz muito sobre a pessoa. Até agora, eu nunca me inganei com a voz, por mais que as pessoas tentem altera-la e desfarsar sentimentos. Serà que o olhar é mais sinsero que a voz?
Quém quizer pode me responder para o mail
cri.carvalho@bluewin.ch.
Beijinhos para todos!!!

Há muito tempo eu não aparecia por aqui e fiquei muito satisfeita por observar o curso das conversas.
Efectivamente, há muita coisa de que um normovisual se pode interrogar sobre a vida de um cego e compreendi que um cego de nascença, naturalmente, não verá do mesmo modo que um indivíduo cego tardio e sobre isso, ainda não tinha ponderado bem, devo admitir. Enquanto normovisual que também sou e muito sensível por natureza, também me preocupo e interesso bastante por este mundo, ao qual qualquer normovisual pode ficar sujeito, quando menos esperar, se o destino assim o quiser e ninguém o puder contrariar!
Como em tempos dizia, também eu fechava os olhos e ainda fecho muitas vezes, hoje em dia, nomeadamente no trajecto de casa para o trabalho, que faço maioritariamente a pé e onde adoro sentir tudo quanto os outros sentidos me possam oferecer (já consigo dar cerca de 18 a 20 passos sem abrir os olhos, nem desviar-me muito da rota, mas não resisto à batuitice de abrir os olhos ao fim de algum tempo, para me certificar de que tudo vai bem. Claro que o faço quando não passa ninguém, ou nem sei o que pensariam... que eu ia a dormir pela rua, certamemnte! hehehe). Adoro passear sobre o relvado de um parque e sentir o alto r baixo relevo sobre os meus pés e a sensação transmitida por isso, ou ainda, sentar-me num banco de jardim e manter os olhos fechados, para melhor apreciar todas as riquezas que tenho em redor, com a devida calma e entrega: o chilrear das aves, o ruído feito pelas folhagens das árvores ao vento, ouvir a água que tomba em três fontes com alguma proximidade entre elas e distinguir a localização de cada uma de modo isolado, distinguir os passos e as corridas das crianças que brincam em redor, bem como a voz e o humor de cada uma, sentir a brisa com outra profundidade e o calor com maior encanto e intensidade também, etc...) Por outro lado, se reconheço ser complicado fazer muitas coisas de olhos fechados, há outras coisas que reconheço fazer bem melhor desse modo, dado que os outros sentidos acabam por controlar melhor a situação (como vestir uma peça de roupa sem tropeçar, pois o equilíbrio fala mais alto ao tornar-se mais firme sem depender do olhar. Este nem sempre está atento quanto deveria, logo é muito relaxado...) e se não puder acender as luzes de madrugada, para não acordar ninguém, também não tenho dificuldade em circular por casa, mas faço-o literalmente como se de uma cega me tratasse, confiando no tacto e no conhecimento que tenho da disposição das divisões da casa e de cada um dos obstáculos, podendo corrê-la de ponta a ponta no escuro, sem me deixar "enganar", como qualquer cego, afinal (sorriso rasgado).
Na minha humilde opinião, julgo tratar-se de uma mais valia para toda a gente, o desejo de aprender a lidar de perto com este mundo da ausência da visão, por qualquer necessidade, seja ela eventualmente uma visita indesejada e temporária ou permanente... é bom estar preparado! Antes de ter amigos cegos, dava comigo a pensar como seria se algum dia viesse a cegar... Talvez por isso, inconscientemente, desse comigo a praticar algumas daquelas experiências, anteriormente citadas e que hoje tento aperfeiçoar, porém, de modo bem consciente e cheio de vontade de conhecer e sentir, cada vez melhor, a realidade de amigos e conhecidos cegos!
Julgo que a melhor forma de compreender como os cegos de nascença vêem as coisas que um normovisual ou um cego tardio vêem a seu modo, seria através de gestos (tal qual um interessante e animado jogo de mímica, como antigamente adorava jogar, em rodas de amigos, em alguns serões).
Entre os sentidos mais ou menos passíveis de enganar, acredito que quer a voz quer o olhar o possam fazer, consciente ou insconcientemente. No entanto, acredito que o olhar é incapaz de enganar por mais de alguns breves instantes e só o fará por alguma razão muito forte! Ninguém é capaz de representar 24h sobre 24h, pelo que é fácil detectar quando há falsidade no ar! E tenho sérias dúvidas de que diante de alguma desgraça, quer a voz quer o olhar possam tornar-se enganadores para libertar de fardos os ombros de alguém...
Por fim e para terminar este comentário que vai extra longo (perdoem-me por isso), vejo o olhar como um elemento absolutamente sinsero e forte complemento das palavras, capaz de expressar tudo aquilo que fica por dizer, quando a voz não encontra forças para encontrar a luz e o silêncio irrompe no ar, com tanto o que possa existir por dizer... Quando o olhar diz o resto, o seu destinatário só tem de o interpretar (correctamente de preferência) e interpelá-lo, de modo a permitir que se faça luz em dado contexto e se restaure o conteúdo do "diálogo perdido". Como é útil ver com os olhos da alma e com os que temos no rosto! Mas sem estes pode-se andar perto do conhecimento toal, mas nunca o atingir de facto, por maior abilidade que se tenha, pois acho que o olhar é como uma chave mestra!!
Sinto imensa pena de que os amigos cegos não tenham como conhecer um olhar tão expressivo, para o poderem interpretar e conhecer o estado de espírito de alguém, em dado momento, quando o tenta esconder, para não incomodar mais ninguém senão a si mesmo. Como esse olhar é capaz de enriquecer uma qualquer relação de amizade, nas alturas mais críticas em que em só ele se bastaria, quando se torna dificil suster a voz e dominar o pulsar do coração, ou mesmo quando ele se descontrola e contagia alguém, pelas mais variadas reacções e demosntrações de humor, diante da sua faceta mais tagarela, expressando tantas e tão distintas sensações, num único e breve instante, dando voz a algum curto ou longo silêncio, com o descalsar de receios, inquietudes ou timidez, ao descambar de expressões de alegria incontidas, cómicas e melodramáticas até, capazes de reforçar o seu riso e contagiar quem o observa, mesmo em silêncio, também!
Como se conhece melhor alguém, com recurso ao olhar.... e como diante da sua ausência é possível sentir um à vontade indescritivel!!! Sejamos felizes como somos e procuremos conhecer melhor a realidade de cada um e ter tempo e disposição para possibilitar uma melhor e mais fácil integração de todos e conviver de modo absolutamente natural e salutar, com igual respeito pelas diferenças...
Votos de um ano 2008 muito risonho para todos,
Ana

Olà Ana!

Gostei muito do teu comentario "Sentidos que nao enganam" Foste muito esclaressedora e verdadeira, quase um pouco poética também. Gostei da tua atitude, das experiencias que fazes para perceber como é o mundo dos segos, a tua abertura para perceber a realidade que nos envolve. Foi nessa tentativa que eu fiz a pergunta sobre o "ler no olhar" às vezes fico triste por nao ter essa janela, e questiono-me até se estou perdendo alguma coisa... Quando eu me apaixonei pela primeira vez, eu perguntava às minhas amigas como era o olhar do meu amado quando ele olhava para mim, e ficava anciosa e triste por nao lhe poder dizer através dos meus olhos o que sentia por ele, jà que ele nao me permitia toca-lo. Quando eu escrevo poemas, também falo dos olhos, do olhar, a pesar de nao saber se aquilo que eu digo corresponde à realidade de quem ve, assim como a minha imaginassao das cores...
Gostava muito de te conhesser melhor, de ser tua amiga, de partilhar muitas mais opinioes e ideias comtigo, assim como com muitas outras pessoas que encontrei neste site.
Beijinhos para todos
Lirio branco

Fico muito lisonjeada porque tu e outras pessoas tenham gostado do meu comentário, absolutamente fiel aos meus sentimentos e impressões e que possa ter respondido a algumas inquietações de A, B ou C, aqui neste espaço de gente que será boa. Agradeço a tua disponibilidade para a amizade e fico muito feliz por isso, também. Querendo aparecer pela lista dos cães-guia (no yahoo.com.br), estou por lá com um pouquinho de maior assiduidade. Ali tenho alguns amigos e conhecidos com quem aprecio imenso conversar e, principalmente, aprender sobre o melhor amigo do homem, as suas fantásticas abilidades, sobretudo enquanto "cão profissional" (guia de cegos) e pedir quaisquer conselhos para lidar com algum tipo de problema que o meu cão de companhia possa ter, de vez em quando. Partilhar histórias é um gosto enorme e a escrita, poética ou não, é uma predilecção...
Também achei muito pertinentes as tuas palavras e percebi muito bem o teu lamento pelo constrangimento da falta do olhar, num relacionamento mais intimo. Acredita que quando há romance no ar com um elemento cego, a ausência de olhar pode penalizar ambos os lados se não conhecerem bem o outro, portanto, a qualquer falta de confiança no outro que vê, senão mesmo no que não vê, devido às tais mensagens que o olhar fica impedido de transmitir ou receber, impedem de entender a veracidade e profundidade dos sentimentos um do outro, que sustentaria quaisquer inquietações, além das demais formas de sensibilidade ao toque, capazes de se perceber no olhar, nem que se não queira! O olhar isolado do resto (desculpando a franqueza) pode tornar-se uma incógnita no meio do silêncio e um cubinho de gêlo sobre uma chama ateada, mas incapaz de a derreter, ou mesmo de dobrar o aço e não constrange porque não despe com o olhar, o que também faz falta... e isoladamente, o olhar não consegue soltar o mel da paixão... já auxiliado pelos trejeitos que se evadem de lábios mesmo emudecidos, é possível resgatar algum lume e depois, a voz, o gesto e o sentir do pulsar do coração um do outro dão um empurrãozinho, se transmitidos com sensibilidade e profundidade de sentimentos... senão, a brincar a brincar, não se torna convincente e corre o risco de não ser correctamente interpretado! Pelo que li algures, parece-me que tens um sexto sentido bem apurado, logo, confia nele e ntrega-me na justa medida da tua certeza e não sofrerás senão o suficiente e suportável, acredita!
Um abraço a todos,
Ana

Lirio Branco, gostei bastante de teus comentários, parabéns! Sou normovisual, e me interesso por este tema, e gostei de ler suas histórias.

roque barros

Olà!
Ainda bém que ha muitas pessoas normovisuais que se interessam pela realidade de quem nao ve, a final, como jà foi dito aqui por alguém, nos nao vivemos em mundos separados, mas sim no mesmo mundo, com a mesma sociedade. Eu acho que tudo seria mais facil nesta vida se todos tivessem curiosidade e coraçao aberto para conhesser as realidades ums dos outros, nao so entre deficientes e pessoa ditas "normais", como também entre culturas, chamadas "Classes sosiais" ETC. A vida é muito colorida. A mao tém 5 dedos, e nenhum é igual ao outro. Assim somos nos, e é isso que torna a vida interessante e bonita a pesar de todas as dificuldades que temos de enfrentar. A final, segos e normovisuais nao sao tao diferentes quanto isso...
Beijinhos para todos!

Olhar e sexto sentido!

Como sabes, eu, já vi!
Nunca soube o que é isso do sexto sentido!
Sei que muitas das vezes, sinto verdades, sobre as pessoas ou situações que mais tarde se comprovam.

Quanto ao não conseguir cruzar olhares com quem conheço, ou, acabo de conhecer, só mais tarde é que aprendi a conhecer as pessoas pela voz que tem ou a forma como se expressam.
Tenho muitas saudades de ver. Há rostos e corpos que são uma verdadeira obra de arte! Tenho saudades!
Até mesmo num relacionamento mais chegado, sinto que falta aquela emoção de cruzar olhares com quem se gosta. Sobre esta questão haveria muito a dizer! Pois como em todo o ser humano, existem necessidades fisiológicas, trocas de afectos, etc. Tema que é muito pouco discutido, por vergonha, muitas das vezes porque não se consegue falar deste tema, sem que, se misture a maldade ou a promiscuidade.

A intuição existe numa pessoa, quer ela veja ou não. Intuindo e podendo ao mesmo tempo ver, é muito mais fácil.
Já tive situações que, por não ver, e, ao falar sobre um assunto com uma pessoa, não me apercebi da sua expressão de rosto, e, estava a tocar num assunto que não era confortável para a mesma e estava a magoá-la. Só parei, porque fui chamada a atenção por uma outra pessoa que também estava presente! Não sei se me fiz entender?
Beijinhos para todos e desejo de um feliz 2008
Isabel Cardoso

olà!
Pois é, o papél dos olhares e do toque no campo dos afétos é um assunto tao interessante quanto delicado. Eu compreendo que tenhas saudades de ver, se até eu que nunca vi, às vezes sinto falta o pergunto-me como seria bom ler nos olhos das pessoas que encontro, de ver as pessoas e comprovar se a minha imaginassao me diz a verdade o nao. Também gostava muito de me poder ver ao espelho, o ver uma fotografia minha. Queria saber como é que os normovisuais me veem....
Eu acredito no sexto sentido, sim. Eu acho que toda a gente tém intuissao, nasceu conosco. Mas a de ums é mais aporada, a de outros menos, até porque ha pessoas que nao dao à intuissao o devido valor. Eu sempre fui muito intuitiva e extremamente sensivel, às vezes gostava de nao sentir sertas coisas. às vezes, quando me encontro no meio de uma multidao, a minha mente fica totalmente confusa e cançada, porque sinto tantas auras, tantas oscilassoes de humor, tantas energias, e até olhares. às vezes viro-me para alguém e pergunto "Porque é que estàs a olhar para mim?" E eles ficam admirados como é que eu sei que eles me estavam olhando. às vezes consigo até saber a origem cultural da pessoa, so de ouvi-la falar. Especialmente com os africanos acontesse-me muito isso, sinto o calor no ar, a energia africana...:-)
Sao coisitas que nao consigo explicar, e que às vezes me perturbam.
Quando eu ousso a voz de alguém, fasso uma espéci de retrato na minha mente sobre como é o visual da pessoa. Quando me aproximo dela, a primeira coisa que eu tenho curiosidade de tocar sao as maos da pessoa. Gosto de sentir como é a textura da mao, as maos dizem também muito sobre uma pessoa, acho eu. Quando estou a falar com um amigo o uma amiga, gosto de segurar a mao dele/ela. é a minha maneira de estar em contacto com ela, de sentir qual é o efeito das minhas palavras sobre ela, e também de saber se a pessoa està atenta à quilo que eu estou a dizer, o se a mente dela està distante.
Agora neste forum, assim como em todas as conversas virtuais que tenho, imagino como serà a voz da pessoa com a qual estou a escrever. Quando leio livros, dou voz às personagems que me sao descritas. Gosto de ouvir as vozes dos politicos, sentir a vibrassao deles, diz mais sobre a personalidade deles do que as palavras que eles dizem...
Acho que tudo isso sao formas de ver, pois ver é estar atento com todos os sentidos e ter os "olhos" abértos para o mundo. Uma janela para o mundo...:-)

Infelizmente escapam-me as horas para comentar este texto "afetos", que apreciei imenso e pareceu tão interessante, mas por intermédio dele e de um outro, ouso atirar sobre debate, um outro tópico, quanto a mim muito pertinente... em virtude de tudo quanto nele possa estar integrado e nem sempre a descoberto, logo imperceptível para quem se vê ou viu em algum dilema desta natureza.
Por vezes, interrogo-me se haverá maior número de casais cegos (namorados, juntos ou casados), ou cegos com normovisuais/ normovisuais com cegos... e em que tipo melhor se sentem enquadrar os cegos (têm preferência/ facilidade na relação) e porquê? Acho que seria um excelente tópico para uma boa discussão, se não tiver sido já levada a cabo antes. Se já foi, então eu perdirei a alguém um breve rezumo, por favor, pode ser?! (sorriso rasgado) Muito obrigada,
Abraços,
Ana

Olá Ana.

Namoro Actualmente, namoro com uma pessoa cega, e de forma séria nunca o fiz com uma pessoa normovisual, ora por falta de auto-estima, ora por timidez.

Mas conheço muitos casais cegos que têm relações com pessoas normovisuais, e fazem uma vida normal, têm filhos, etc, assim como fazem os casais com a mesma deficiência, uns com mais dificuldade do que outros.

Um dos meus objectivos é casar e constituir família, mas como eu e a minha namorada estamos desempregados, torna-se mais difícil atingí-lo, pois os rendimentos são baixos e não temos um lar onde nos possamos sentir à vontade.

Beijinhos.

Tiago Duarte

Tiago Duarte

Tiago Duarte

Muito obrigada, Tiago pela tua partilha! Não quer aprofundar algum ponto mais...
Permita-me dizer que acredito que para alguns normovisuais mais sensíveis, tímidos ou com alguma dose de baixa auto-estima, também se pode vir a tornar mais fácil, estimulante ou enriquecedor um relacionamento com um cego do que com um normovisual, por neles se tender esperar encontrar maior honestidade, pureza de espírito, confiança, esperança e sensibilidade!
Em termos muito pessoais e sobre o que não posso divulgar grandes detalhes mas os bastantes (peço compreensão), é muito importante para mim entender bem a vossa posição e sensibilidade, enquanto cegos e quanto mais opiniões e divergentes puder ter sobre este tópico, tanto melhor...
Perdi duas pessoas numa só, muito especiais para mim e de quem ainda muito preso (apesar de tudo) e me orgulho de sentir GRANDE AMIZADE e senti-la-ei até o último dia da minha vida (mesmo sem ser mais correspondida) e "velar" pelo seu bem, mesmo que ao longe me possa querer e eu o possa ter sob o meu olhar mas sem ser vista, sem deixar de ser quem conheceu "...uma excelente pessoa, mais dificil de encontrar do que uma agulha num palheiro", mas decididamente mais fácil de contentar, se não me vier a renunciar três vezes, como Pilatos fez a Cristo, a caminho do seu calvário!
A este "Alguém" tenho muitas coisas a agradecer, por me promover um crescimento interior incalculável e multifacetado, que me impele a uma evolução altamente gratificante! A Deus, por sua vez, agradeço tê-lo colocado no meu caminho e nunca me ter levado a capacidade e humildade que dia-após-dia cresce em mim, de reconhecer e reparar erros, mesmo os de outrem a quem eternamente darei novas oportunidades de se redimir, apesar de me ter prejudicado (quando eu nunca agi por mal a ninguém), não me envergonhando nem cansando de humildemente pedir perdão e de tudo o que esteja ao meu alcance fazer, por um dia vir a merecer, um voto de confiança perdido, sem margens de dúvida, por parte de um ser que apenas considero um Amigo, tão insubstituível como qualquer outro.
Este gesto, é bom vincar, não se trata de qualquer tipo de ausência de amor próprio, mas de um gesto nobre de carácter, que assim deve ser interpretado, se tiver nobreza de espírito e de carácter, além de maturidade e inteligência para o compreender e reconhecer a capacidade, a frontalidade, o valor e a coragem de DAR A OUTRA FACE, em favor do bem comum e prosperidade, como Cristo quis ensinar a fazer com o Seu exemplo e tão sabiamente nos apelou à capacidade de perdoar 70x7 (indefinidas vezes, diante de todo o arrependimento). Um Cristão, praticante ou não, não é mais do que um ser errante, que deve almejar a santidade e esforçar-se por ser um exemplo, contagiante!
Para rematar, permitam-me recordar que se deve esperar de um Amigo que o seja de facto e que nunca se tenha preocupado só consigo mesmo, que não deixe de fazer todos os esforços possíveis (e quase impossíveis), para reaver aquele de quem é Amigo, da mesma forma que um pastor que perde uma só ovelha, no meio de um grande rebanho, não se cansa de a procurar até ao último dos seus dias, porque essa ovelha é para si tão importante quanto cada uma de todas as outras do rebanho...
Um abraço,
Ana

Olá Ana,

Que mais queres que acrescente? lol.

Relativamente à tua mensagem, dizer-se que uma pessoa cega tem mais pureza de espírito e é mais honesta (pelo menos foi o que entendi das tuas palavras) não corresponde à verdade, pois nós somos tão iguais quanto os normovisuais. Como tal, não podemos pensar assim.

Beijos e qualquer coisa, dispõe.

Tiago Duarte

Tiago Duarte

Ana Catarina Rocha RuaNa minha opinião, desde que se goste acho que tanto faz. Eu tenho um namorado que tem baixa visão e consigo perceber nele, o respeito, a sensibilidade, espirito maduro e todas as coisas que a Ana falou. Já tive um namorado cego e não notei grandes diferenças. Porque na minha opinião quando duas pessoas se gostam o resto não importa. beijinhos Ana Rocha ps. Parabéns pelo teu texto Ana, se me quiseres adicionar no msn é: ana.golfinha@gmail.com.

Ana Rocha

Olá Isabel, estou de acordo com o teu comentário. Eu também já vi, à 12 anos que sou cego, e muitas vezes também sinto muito mais a faltaOlá Isabel! Olha, eu também já vi, Olá Isabel! Olha, eu também já vi, e sinto assim um pouco como tu. Ha determinadas situações, em que sentimos muito a falta de ver. E nesse caso concreto que falas, ou seja o relacionamento com outras pessoas, realmente é um pouco estranho porque quem se habitua a olhar para o rosto de uma pessoa e fazer a suOlá Isabel!
Olha, eu também já vi, e em algumas coisas, sinto o mesmo que tu sentes. Realmente nessa situação que contas, para nós que nos habituamos a ver os rostos das pessoas, e depois ter que fazer a análize dessa mesma pessoa apenas atravez da voz, torna-se um pouco confuso para quem já vio. Por muito que nos esforsemos, quando falamos com alguém, estamos sempre a tentar ler-lhe o rosto. Realmente acho que este seria um bom tema para um pequeno debate. Se por acaso quizeres, deixo-te os meus contactos para que os possas adicionar. Cumprimentos, Sérgio Contactos: e-mails: aventura1000@gmail.com; smag160372@yahoo.com.br mensseger: realaguia@hotmail.com

Sérgio Gonçalves

Olá !!
Sejas bem-vindo !! loool

Eu sou o José Filipe, sou normovisual, mas tenho deficiência fisica-motora !!
Moro em Santo Tirso, perto do Porto em Portugal.
Faço parte da ACOD - Associação Criar Oportunidades a Deficientes e da FCD - Fraternidade Cristã dos Doentes Crónicos e Deficientes Físicos.
De modo que convivo imenso com cegos, e tenho muitos amigos(as) cegos !! lol
E sempre tive alguma curiosidade em saber com eles sentem as coisas !! lol

Olhar é bom .....
Através do olhar, consegue-se ver se uma rapariga é boa como o milho ou não !! loooooooooooool
Consigo olhar ao espelho e ver se tou bem vestido e penteado ...
Tb através do olhar conseguimos captar se a outra pessoa é sincera, se é bem humorada (sorridente), se é sensível ... e tb se consegue ver qual o estado de espírito da outra pessoa !!
E percebe-se minimamente se a outra pessoa gosta de nós !!
Agora é preciso tar atento para captar esses sinais ... !!

Mas eu acredito que tb os cegos, por outros meios que não a visão, se conseguem aperceber das mesmas realidades, através da audição, olfacto e tacto.
Os cegos geralmente têm esses sentidos mais apurados

Vou contar-vos uma história duma amiga cega q apareceu há tempos na televisão ....
Vocês conseguem ver as cores ?? Pois a minha amiga vê ....
Certo dia a televisão, TVI ou SIC, foi a casa dela em Massamá - Lisboa, e ela tem uma filha com poucos aninhos e, o repórter perguntou como é que ela vestia a menina, que tipo de roupa é que ia vestir, a cor da roupa, as tonalidades, as texturas ... e muita jente ficou de boca aberta .... pois ela acertava em tudo ...
Eu fiquei curioso e qdo fui à casa dela, perguntei como é q ela sabia as cores das ropas, ao que ela respondeu, qdo vou comprar roupa eu pergunto ao meu marido de que côr é a roupa e, pela textura associa as cores ... !! lol
Interessante, hein .... !!

Qto ao sexto sentido ele existe, só que há pessoas q o têm mais apurado do que outras !! lol

Hoi!
Estou de acordo com aquilo que disseste, também sobre as cores. Quando vou comprar roupa, também pergunto à minha mae o às minhas amigas de que cor é, e depois toco a pessa para sentir a textura, e assim escolho. Nao sei se a minha maneira de ver as cores corresponde à realidade o nao, mas existem cores que eu acho que combinam comigo, outras nem por isso. Também gosto de me maquilhar, de pintar as unhas, e gosto de cristais e pédras, e de saber as cores das pedras. Gostava de saber pintar para exprimir através das cores o que sinto...
Olhar deve ser mesmo bom, e eu comfésso que fico triste às vezes por nao poder faze-lo. Principalmente quando queria flirtar e nao sei se a pessoa està na minha honda o nao...:-) é mais nessa parte que me faz falta, pois eu consigo sentir bém os estados de espirito da pessoa q fala comigo através da voz o da aura. O meu sexto sentido é muito aporado, porque lhe dou o devido valor, acredito na minha intuissao porque ela jà me provou ser boa e me alertou para muitas coisas importantes na vida...
Diz o ditado que o peor sego é aquele que nao quer ver, nesse caso, eu nao sou sega...:-)

Olá Pessoal!

Estou gostando muito da "discução" que está acontecendo neste tópico e venho, por via deste comentário, dizer a minha experiência enquanto cego.
Eu acredito que todas as pessoas diferem-se uma das outras, mesmo que o físico mostre que não. Quero dizer que possamos ser cegos, mas teremos modos de ver o mundo diferentes e formas de pensar que divergem uma da outra. Li neste tópico que algumas pessoas disseram que diferenciam a cor dasroupas pela textura, mas eu uso a etiqueta da camiseta, ou seja, caso a camiseta for preta, eu corto a etiqueta de uma forma diferente da forma com que corto a etiqueta da camiseta verde. no caso das calças a mesma coisa.
Quando vou me aperceber do mundo a minha volta gosto de sentir tudo o que percebo. Quero dizer que as pessoas que possuem todos os sentidos, não todas, mas a maioria, olham, escutam, cheiram, mas em todas essas ocasiões não sentem tudo o que percebem.
Podem me chamar de otmista se quiserem, mas creio que tudo que existe tem algo divino, não querendo me refirir a santos ou a deus, pois não sei se quem lerá o meu comentário acredita ou não em um ser criador de tudo, mas digo que tudo é para ser sentido de todas as formas possíveis, visto que todas as coisas, em meu modo de ver, são belas.
Agora, em relação a como sinto o mundo, a resposta penso que será um pouco óbvia de início, mas que poderá divergir para outros sub tópicos mais minuciosos.
Sinto o mundo de todas as formas possíveis. Procuro usar todos os meus sentidos no máximo de suas forças.
Quando acordo procuro ouvir o cantarolar de pássaros. A. Como é maravilhoso ouvir uma fuga de Johann Sebastian Bach com todo seu contra-ponto ou sua polifonia. Como é belo o cantar das cigarras, como é gostoso sentir com as mãos , ou mesmo com o sexto sentido, sentido no qual acredito existir, o sorriso de uma pessoa.
Creio existir muito mais a comentar, mas isso extenderia muito o comentário. Então quero dizer uma última coisa. O mundo em que vivemos é composto de matéria e o que podemos chamar de não matéria, sendo a não matéria o sentimento. Tanto em um quanto o outro, existe muito para ser descoberto. Creio que nos dois casos temos formas diferentes de sentir os dois. Como alguns disseram, atitude na qual sou bem parecido, eu costumo ouvir as pessoas e imaginar sua aparência pela sua voz. Costumo sentir também o sorriso de uma pessoa facilmente. E muitas coisas mais que sinto e percebo. Agora digo, mesmo que não tenho mais a visão, apesar de sentir saudades de um tempo remoto onde tinha como olhar algo, sei que há muitas coisas a mais para descobrir e muitas coisas para apreciar que nunca, jamais apreciei, com ou sem a visão.
Costumo dizer para as pessoas que o cego encherga com o ouvido e escuta com o coração.
Isso pode se incluir na parte que Isabel comentou a respeito da relação entre homem e mulher. Ja, várias vezes, mulheres me perguntaram: Como é que você consegue sentir aquele "magnetismo" no qual os normovisuais sentem ao olhar para alguém? Costumo dizer a frase escrita e explicar dizendo que para eu que sou cego, acredito queo que mais vale é o todo. Sei como que são as mulheres bonitas, pois ja encherguei e pude ver o rosto de muitas mulheres que julgava serem muito bonitas, mas acredito que o que vale é o todo. Acredito que esse sentimento passado por um olhar, ou uma troca de olhares é muito bom, mas nada se compara a semente do sentimento, onde começamos a conhecer a pessoa e cada dia que passa conhecemos mais ela, assim, consequentemente, se apaixonando mais pelo seu modo de ser, pelo seu modo de pensar e pelo seu charme. . Creio ser, essa paixão mais duradoura e mais concreta do que a dita anteriormente.
Muito grato a todos

Sidarta

Sidarta

Cara Paty

Eu considero normal os cegos por norma não terem questões sobre os normovisuais, já que acredito que a maior parte dos cegos convive diariamente com normovisuais, a família, os amigos, os colegas...

Os cegos não vivem num mundo a parte, vivem no mundo dos normovisuais, fazem parte de uma sociedade em que a maior parte das pessoas vê bem.

O contrário já não é verdade na maior parte dos casos, já que os deficientes visuais são uma minoria, logo a maior parte dos normovisuais não convive connosco com regularidade, levando a que surjam naturalmente mais questões.

Eu sei que não é um mundo á parte! Mas sim... concordo: os normovisuais deviam definitivamente dar-se mais com os cegos... afinal, são pessoas exctamente iguais ás outras!

"Em relação aos deficientes, os deficientes somos nós (as pessoas "normais")!"

Porquê? Pela minha experiência, julgo que,os normo-visuais têm medo de lidarem com uma situação que lhes é alheia, por isso, é mais fácil ignorar o que é diferente.

O interessante, é que existem pessoas que por mera coincidência ou não, se cruzam no nosso caminho e se interessam pela nossa realidade e até chegam à conclusão que temos uma diferença, mas somos seres iguais a todos os outros...
É importante, que nós tenhamos a consciência da nossa diferença, mas que issonão seja, por nunca, o motivo de descriminaçãoou exclusão da sociedade, pois somos cidadãos com deveres e direitos como qualquer outro cidadão.

Nelson Gonçalves para
Amigo Daniel eu acho que nem os cegos vivem no mundo dos normovisuais nem vice-verssa, mas sim todos vivemos no planeta terra .
Digo isto assim porque se não, teria que perguntar porque é que não são os normovisuais a viver no mundo dos cegos.

Paty

Creio ser a resposta de sua pergunta a seguinte: Cegos que nasceram cegos perguntam sim a respeito do mundo de normovisuais, pois não sabem o que é uma paisagem de um mar, não sabe o que é a cor, sendo assim todos que nasceram sem enchergar perguntam sim a respeito deste mundo tão disconhecido para eles. Agora os deficientes visuais que perderam a visão quando ja tinham uma noção de como era muitas coisas deste mundo, que esse eu me incluo, não tem curiosidade, pois mesmo que tivesse não teria possibilidade de participar deste mundo, visto que os normovisuais, bastam fechar seus olhos para saber como é nosso mundo...
Espero que tenha respondido sua pergunta...
Grato
Sidarta

Sidarta

Realmente é injusto... nos podermos fechar os olhos e voces não poderem abri-los... Vida injusta...!
Como é perder uma coisa depois de a ter?

Este comentário e eventuais subcomentários foram movidos para este tópico de fórum.

"Em relação aos deficientes, os deficientes somos nós (as pessoas "normais")!"

Olá, Sidarta!

Tive acesso a um texto que dizia, que a um normovisual basta fechar os olhos para sentir o mesmo que um cego.
É relativo!
Existem diferenças entre todos os seres humanos. Existem, ainda, diferenças entre cegos de nascença e cegos que perderam a visão durante o seu percurso de vida.
Quando há a perda, é uma catástrofe!
A vida dá uma volta de 180 graus. Por momentos na vida, perde-se tudo! Principalmente a identidade!
Por isso eu digo, que, a um normovisual, não basta fechar os olhos, para saber o que é não ver. Existe toda uma carga emocional que temos que carregar, que jamais quem fecha simplesmente os olhos não sente!
Mas, sim, para fazer uma pequena abordagem, a uma dificuldade sentida por quem não vê, pode fechar os olhos . É a forma, que os técnicos de reabilitação, utilizam para encontrar soluções para quem precisa de conhecer o mundo ou aprender a vê-lo de outra maneira.
De olhos fechados ou vendados, é tão simples! Aoprimeiro medo, constrangimento, desorientação, basta, abrir os olhos ou tirar a venda.
Quem me dera ter só os olhos fechados ou vendados.
Espero ter contribuido com a minha experiência normovisual/cega.
Isabel Cardoso

Olá Isabel Sou o Marciel. Sou cego e estou de acordo com tudo o que tens escrito.

Não basta fechar os olhos para sentir o que um cego sente.

maciel

Olha Marciel, concordo plenamente contigo.
Não basta fechar os olhos. Existem outros sentidos que são aflorados, despertados e explorados nas pessoas com deficiencia visual. O Tato, O olfato, A audição....
Não sou cega, mas tenho na família um caso. Meu sobrinho hoje com 21 anos. Nós vivemos o dia a dia e notamos o quão ardua é sua luta para enchergar (na pontinha dos dedos). Porém ele nos dá muitas alegrias e lógicamente nos ensina muita coisa. A principal é que ser cego não é um castigo e sim uma prova eterna da força de vontade de um ser humano. Por isso fechar os olhos não é verdadeiro.
Fica com Deus!!!
ABRAÇOS
JANE

Olá, Isabel: Sou normo-visual do Brasil, e gostaria de saber se podemos conversar por e-mail, meu e-mail: rpbiazonebarros@hotmail.com Atenciosamente, Roque.

Eu sinto muito não poder responder-lhe essa pergunta,mas,conheço Alguém que pode lhe dar essa e muitas outras respostas...Esse Alguém é Deus...Ele tem à explicação para todas as suas perguntas,sempre que não consigo achar respostas para tantas coisas inesplicáveis desse mundo tão desumano em que vivemos...Ele sempre me ajuda à entender através de minhas orações peço-lhe que faça o mesmo, mas, faça com fé e o Senhor lhe ajudará...

d Jesus

Na minha opinião todos os casos são diferentes quando diz respeito a alguêm que já nasceu cego ou não.
Eu também gostaria de partlhar mais openiões com utilizadores desta pagina e aqui deixo o meu email para alguêm que me queira escrever e também enformo que sou cego. nelsongoncalves75@gamil.com

Olá, Paty!

Ver?
Como é Ver?
Olhar, não é ver! É o cérebro quem vê tudo!
Cegos, não cegos, todos vemos!
Quantas vezes, numa conversa telefónica, e, fazendo uma descrição de qualquer coisa, dizemos:
Estás a ver?
É, óbvio, que quando os nossos olhos vêem, há mais cor, há um todo.
Quando não vemos, as imagens, as cores, transformam-se em sensações.
Acredita, não sendo bom, não ver, que, já descobri coisas bonitas depois de segar. Não sei se o tinha descoberto se visse!
Por exemplo. Já tenho estado em grupo, em que a única cega sou eu, e, levo-os a descobrir sons ou cheiros, que a visão não lhes permite ver.
Numa praia, falo sobre o som das ondas, quando o mar está sereno. E o cheiro a maresia? Tão bom! Sentir o sol, acompanhado de uma brisa cálida e suave, ao fim da tarde, tocando a nossa maçã de rosto. Acreditas que muitos dos meus conhecidos, ainda, não tinham descoberto estas sensações?
Desde criança, que sou muito dada a observação de toda a Natureza que nos rodeia. Quer paisagens, bonitas ou feias, quer rostos, quer olhares.
Hoje, em dia, não me resta mais nada a não ser a memória visual que tenho dessas coisas. E quando, me deparo com qualquer uma delas, sinto o que está há minha volta e recorro logo no imediato à minha memória visual.
Quero com isto dizer, ver com os olhos ou com os outros sentidos, não é nada mais, nada menos, que aprender a viver!
Temos é que viver!
E pintamos o quadro conforme as cores que gostamos!
Gostava de ter o teu E-Mail.
Beijinhos para ti e para quem ler este desabafo
Isabel Cardoso

Obrigada!! Muito obrigada pelo teu comentário! Esclareceu-me e preencheu-me imenso de fortes emoções ao lê-lo! Também eu sou muito dada a observar tudo... e por isso comecei a interrogar-me sobre o que aconteceria se tudo isso acabasse? E depois pensei que não sendo bom, acho que tambem não seria totalmente mau... Por isso aderi a este site... Eu, sendo normovisual, adoro fechar os olhos quando estou num sítio de que gosto muito, e experenciar tudo á minha volta: as sensações, os cheiros, os sons... Tudo isso me fascina...
Temos é que viver concordo!!!
Quanto ao meu e-mail, tambem gostaria de ter o teu... mas como não quero expor aqui o meu email, convido-te a ires ao meu hi5
Muitos beijinhos também para ti e muito obrigada
P.S.: Se tiveres dificuldades em lá entrar diz-me!

"Em relação aos deficientes, os deficientes somos nós (as pessoas "normais")!"

Olá Isabel !!

Estou completamente de acordo contigo !! risos
Ver é uma coisa e olhar outra !!
Ver qualquer um pode ver, como no exemplo que citaste, alguem tá ao telefone e pergunta: tás a ver ??
Olhar é somente com os olhos: olhar as cores, imagens, paisagens, mar, praia ... !! lol
Portanto, os DVs podem ver sem olhar, aliás, há 1 revista com esse nome !!

Olha, eu sou normovisual, e não fazia a menor ideia como era o mundo dos DVs (se eles viam, como eles fazem as coisas, ...), mas a determinado momento uma DV chamada Manuela (que alguns que estão aqui conhecem), convidou-me a ir a um convívio da Fraternidade Cristã de Deficientes Crónicos e Deficientes Físicos (http://www.ecclesia.pt/fcd).
Eu aceitei o convite e fui, e começei a ir a outros convívios, até que comecei a fazer parte activa desse Movimento de Deficientes Físicos. E hoje em dia, sou coordenador da equipa de base de Santo Tirso.

A Fraternidade ajudou-me muito mesmo .... !! Ajudou-me a ser mais pessoa ... !!
Neste tempo, conheci muitas pessoas deficientes, nomeadamente, muitos deficientes visuais !!
Mais tarde, conheci o Tiago Duarte (que muitos de vós conheceis) e, numa das colónias de férias, me incentivou a entrar para o querersaber e pro lerparaver !! lol
Graças a ele e a outras pessoas, hoje em dia, tou mais sensível ao vosso mundo e, já sei explicar melhor certas coisas aos DVs !!

Pra terminar, vou contar uma história verídica:
A minha colega Manuela, apareceu na televisão!!
Eles tavam a filmar a filhota e a ela e perguntaram: que roupa vai vestir à sua filha ?? De que cor é ?? ...
Ao que ela respondeu: vou vestir umas saia beje, uma camisa branca e um casaco cor de rosa !!
Incrível !! Como pode ser ??
Ao que ela depois me esclareceu: ela quando vai comprar roupa pergunta ao marido ou ao filho (normovisuais), qual é a cor da peça, características, .... e ela pelas texturas fixa / lembra-se dessas características: côr, ... !!

Isabel, dá uma vista d'olhos no meu hi5 que é
zegalo.hi5.com
e adiciona-me !! lool

Olá, eu sou aluna finalista de Arquitectura Paisagista. O meu trabalho de fim de curso debruça-se sobre o tema "a cidade como paisagem". Dentro deste tema escolhi direccionar-me para uma visão menos materialista do mesmo e investigar /descobrir mais sobre este vosso mundo de sensações, escolhendo como sub-tema "a sensibilidade no escuro". Não sei se têm noção mas ao longo do curso é-nos induzido que em todos os projectos que façamos temos de ter em conta pessoas com deficiencias motoras, audio-visuais,etc...colocando rampas, pavimentos adequados,faceis acessos,etc...mas será que é so mesmo isto que podemos fazer por vocês no futuro, no espaço público, no jardim, na cidade...gostaria que me ajudassem a "perceber" a vossa visão sobre a paisagem, como a vivem, como a sentem, onde sentem mais dificuldades, como gostariam que fosse o espaço público ou axam que está bem como se apresenta? Como sentem os sons dos passarinhos, dsa água de um lago num jardim, o vento, os aromas, as brisas, afinal tudo isto é paisagem, faz parte dela, completa-a! Gostaria de poder falar com álguem que me respondesse a estas questões e me ajudasse neste desejo de compreender e melhorar o vosso mundo!obrigado. Maria

Olà Isabel!!!
é a primeira vez que visito este site, e estou muito feliz por ele existir! Eu sou céga de nascensa, e vivi 15 anos na Suissa, estou a um ano em Portugal! Andava à procura de sites e forums para comunicar com outras pessoas na minha condissao e também com pessoas que vissem e que tenham interesse pelo nosso mundo.
Adorei a tua mensagem, e tiraste-me as palavras da boca! Eu também nao fasso a minima ideia como é ver com os olhos, mas também tenho a convicsao que sempre se ve, seja com os olhos, o com todos os outros sentidos! O pequeno principe dizia que o ecencial é invisivel para os olhos, e eu acredito nisso! Eu acho que muitas vezes a vizao atrapalha, pois as pessoas veem so aquilo que querem ver, o entao deixam-se iludir pelas coisas superficiais, mas, como diz o ditado "quem ve caras, nao ve coraçoes"
A vida nao é facil para ninguém, e apesar de eu nunca ter visto e nao ter qualquer memoria vizual, nao digo que às vezes nao gostava que fosse diferente! Nao consigo de todo imaginar como é ver com os olhos. Quando eu tinha 3 anos, descubri que o meu mundo era um pouco diferente do dos meus familiares, porque me caiu uma coisa, e a minha avo apanhou-a sem ter de apalpar o chao, eu nao percebia como é que ela encontrou o objécto!:-) Nao percebo até hoje!...:-)
Mas eu acho que temos é que viver, tentar ser felizes, e manter os "olhos" abértos, pois a vida tém muita coisa linda para nos dar! Beijos grandes para todos!

Adorei sua explanação!!! Fantástica..!
Sábio é aquele que é feliz com o que tem...
Adorei!
Beijinhos..
Flávia

Parabéns Paty, por levantar o questionamento "como é ver" embora a sua pergunta não é assim muito simples como disse. Olha eu nãotenho deficiência visual, mas meu único filho, hoje com 15 anos, ficou cego logo depois de nascer devido ao nascimento prematuro. No início por falta de informação sofremos muito, mas hoje confesso sou super feliz com meu filho e com certeza enxergo bem melhor do que antes, graças a ele.
Então quero parabenizar a todos aqueles que estão enviando comentários sobre a sua pergunta , por que com certeza contribui para uma reflexão "o que é ver?

Sebastião.
Minas Gerais
Brasil

MAS PORQUE SERÁ QUE QUANDO NOS PERGUNTÃO O QUE É QUE NÓZESTAMOS AVER NÓZ RESPONDEMOS QUE ESTAMOS AVER TUDO PRETO. SENÓZ NUNCA VIMOS COMO É QUE PODEMOSDIZER ISSO!

maciel

Quando me perguntam o que vejo, digo que os meus olhos vêem exactamente o mesmo que a palma da minha mão. Mas a resposta à pergunta do António é simples. Muitas vezes confronto-me com pessoas que ainda ficam mais confusas com esta resposta e então muitos cegos usam o estratagema de responder com algo que as pessoas entendem. é exactamente o que acontece com a situação que alguns cientistas dizem que os cegos de nascença vêem nos sonhos, o que é impossível. Mesmo que um cego de nascença fosse capaz de ver nos sonhos, o que não é verdade, ele não saberia que estava a ver porque não sabe o que é ver.
Mas podem então perguntar o que acontece quando um cego de nascença diz que num sonho vê o mar?
Acontece que ele sonha que está à beira mar e imagina o mar como ele pensa que é ver. Certa vez eu disse à minha mãe que sonhei que vi a minha prima. Mas recordo-me muito bem do sonho. Eu sonhei que estava próximo da minha prima e sabia exactamente onde ela estava. Então pensei que a via.
No entanto, os cientistas afirmam que as zonas do cérebro responsáveis pela visão funcionam durante um sonho. O nosso cérebro é "plástico" isto é, uma parte dele que não é utilizada não é necessariamente desperdiçada e pode passar a ter outras funções. Repito que estou a falar de cegos de nascença e não de cegos tardios. Estes realmente podem sonhar que vêem, e vêem realmente nos sonhos.
Mas respondendo à Patty que é o objectivo desta mensagem, se é difícil compreender o que é ser cego, muito mais difícil é um cego entender o que é ser normovisual. Quando era pequeno imaginava ver como sendo tocar com os olhos como tocava com as mãos. Mas sei que a realidade é bem diferente. A visão é sintética e é melhor comparável com o ouvido e não com o tato.

Oi Tadeu, estou com o projeto de um livro de fotografias de bichos para crianças, tanto as que podem como as que não podem ver, acompanhando um CD onde falamos um pouco sobre cada bicho e contamos alguma história sobre ele. Evidentemente encontro dificuldades para conseguir transmitir às crianças cegas como eles são. Talvez possa enfatizar experiências táteis e olfativas, mas agradeço imensamente se puder me dar algumas sugestões.

Olà Antonio!
Foste muito claro na tua mensagem, eu acho que téms toda a razao!
Quando um normovizual me pergunta como é que eu "Vejo" eu digo-lhe para ele por uma ligadura nos olhos e apertar bém, nao deixar nenhuma fisga. Mesmo assim nao sei se ele ve como eu, pois se calhar, ele diz-me que ve tudo escuro. Eu nao vejo escuro nem claro, nao sei oque é isso! Eu nao vejo nada! Quando eu sonho, os sonhos sao como na vida real, eu ouço e sinto as pessoas, o toco-as, mas nao as vejo!
é impossivel para mim imaginar o mundo de um normovizual, porque quém ve pode fechar os olhos e nao ver nada, eu nao posso "Abrir" os olhos, pois fica sempre igual!:-)
Beijinhos

Amiga esta é uma realidade que não podemos esconder!

beijos António

maciel

eu queria que vocês me respondesse com sensibilidade,descrevendo um jardim .Como seria um jardim para vocês?bjsssss espero respostas.

Sou deficiente visual a 3 anos tendo hoje 35 anos e estou vivendo a transformação do mundo visual para o sem visão. Realmente é como se vivesse em outro mundo diferente daquele que estava acostumado, mas dia a dia luto contra as dificuldades de adaptação ppara ver utilizando os outros sentidos para capturar tudo o que está a nossa volta.
Atualmente quando tento ver com os olhos entro em pânico pois o cérebro não consegue ver, mas quando vejo com os outros sentidos meu cérebro cria uma imagem uzando as informações colhidas pelos outros sentidos.
Por isso digo que os olhos são um complemento dos sentidos que formam o mundo a nossa volta.

ola. chamo-me paula. tou no 1º ano de arquitectura e tamos a fazer um trabalho sobre deficientes visuais, como estes sentem, vivem a realidade das cidades? como se movem nestas...por exemplo se pedisse para desenhar um dia atribulado numa cidade, como faria, qual a sensaçao que passaria para o papel.... tenho muita curiosidade de tentar perceber o vosso mundo....

Olá Paula, eu chamo-me Ana, ceguei aos 15 anos e tenho 25. Se poder entrar em contacto comigo posso contarlhe um pouco de como é um cego andar na rua. escreva-me para: Alanarocha@sapo.pt Ana Rocha

Olá Paula.

Vivo numa aldeia do Concelho de Barcelos, e já vivi em Lisboa, onde a realidade era bem diferente, para melhor, pois ali deslocava-me autonomamente para onde queria e da forma mais económica possível, pois era obrigado a ter um passe por força dos cursos que tirei pela capital de Portugal, ao passo que aqui na aldeia não há transportes para onde quero, não tem passeios, e como tal acho que é nas aldeias que se situam os maiores problemas de acessibilidade para os cegos e pessoas com outras deficiências, nomeadamente ao nível motor.

Mas respondendo directamente à sua questão, nas grandes cidades os problemas mais comuns são a falta de semáforos em sítios muito movimentados (como é o caso de grandes avenidas), carros mal estacionados (muitas vezes por falta de civismo da população), obras não sinalizadas, postes no meio de passeios, etc.

Tiago Duarte

Tiago Duarte

Páginas



1 a 50 de 55