Está aqui

- blog de Anacristina

triste, mesmo triste!

por Anacristina

Estou com umas insónias! neste momento é uma hora e vinte e um minutos.
Já estive deitada, mas não consegui adormecer. Fico aqui toda a noite e de manhã não estou com forças para ir para as aulas! risos.
Como tal, vou contar o que aconteceu ontem, uma vez que hoje é quinta-feira. quase duas horas. o silêncio da noite é uma maravilha... eu e só eu nesta enorme casa...

Ia na rua com um colega também cego para irmos, numa de espairecer, almoçar a outro sítio.
Uma pessoa atravessa-nos e tira-nos as referências.
Depois seguimos na boa fé que íamos bem.
- vamos mal!
E eu... irritada, pois as horas passavam e se há coisa que mais detesto é chegar tarde aos compromissos.
- Não! segue!
- Mas eu não conheço nada aqui!
- Mas tu disseste que sabias!
E eu... investigando, por pouco a esta hora não teclava jamais.
Escadas me apareceram à frente que desciam a pique. não sei como me equilibrei, pois ia lançada e tive uma força enorme para proteger-me a mim e ao meu colega de um tombo que era fatal!
Amigos engenheiros, amigos arquitectos, cuidado, por favor.
Vejam o número de pessoas que usam bengala.
Pessoas em geral, olhem mais por nós...
Pois todos temos direito de sair sem perigos como os outros, mas não! hoje foi mesmo o dia das barreiras. arquitectónicas e não arquitectónicas. carrinhas que nos obrigavam a sair para a rua? parece-vos isto bom? arrisquem a vossa pele!
Estou irritada, irritada até não poder mais. pois todos somos humanos mas uns têm perigos, outros nem sequer podem andar porque... a porcaria das escadas não se transformam em rampas...
Resumindo e concluindo... e para não usar já a palavra que mais me apetece usar... aquela bem conhecida... digo apenas que isto é uma vergonha!
E espero que com esta nova aventura que as novas aventuras que podiam ser realmente agradáveis agora não me sejam impedidas, pois se sou responsável, passo agora por irresponsável por levar alguém que não tem as mesmas capacidades que eu e porque uma cambada de desleixados achou que o melhor era deixar aquilo assim, para ser mais fácil entrar, e que não entrem de pára-quedas, como me ia acontecer, mas nem sequer sei para onde, nem me interessa, apenas friso que isto é vergonhoso e que não consigo engolir esta raiva. Pois uma pessoa de vinte anos já vai aqui, ali, além, e nós, coitadinhos de nós, pois querem mesmo fazer de nós coitadinhos temos de andar com as cuecas e as fraldas na mão para o que der e vier, pois os sustos podem acontecer.
Para quê tanto perigo? tanto perigo... perigo e mais perigo...
Tudo por causa da cambada que só tem dinheiro para a bola e para o euro milhões.
e para o totoloto.
E para mais sei lá quê!
Ao menos brinco agora, já que posso. Era rapaz, eu ia à frente, caía eu primeiro, para depois caír ele por cima e pronto, morríamos abraçadinhos.
- Ah! que lindo! Nem na vida, nem na morte, estes amores se separaram. Vejam, para salvar sua donzela!
E as mentes românticas do povo a imaginar mais...
- e antes da morte, uns beijinhos para depois irem de pára-quedas até à última gota de vida... ah, que romântico! Até os sangues se juntam!
Isto, meus amigos, é demais, e agora vou fechar o computador, depois deste longo texto, pois já é uma hora e trinta e oito minutos e logo tenho aulinhas e nem sei como me vou conseguir levantar, pois o sono ainda não chegou.
Mas... vou-me deitar depois deste longo tempo aqui a teclar e destes desabafos que bem me fizeram.
E que bom hoje estar aqui a dizer estas barbaridades!
Ah, como a vida é valorosa quando se sabe que se esteve por um triz para o pior!
Ou para o melhor, quem sabe... dizem que no mundo iterno é tudo muito melhor...
Uma e quarenta e um. Mas que noitada depois desta explêndida aventura!
Até logo.
E durmam, não sejam como eu... sozinha, sozinha nesta longa instituição. Minha colega dorme, todos dormem.
Ah! a noite, a noite, a noite...
Que confidente podias ser, Noite.
Ah! e desculpem aqueles que leram agora o texto e começaram a sentir um aperto nas tripas. é sinal que se calhar começam a pensar que há pessoas que precisam de segurança!
Obrigada.
Que há pessoas que querem sair como os outros, porque pertencem à sociedade!
Obrigada mais uma vez por reconhecerem.
E que há barreiras que estão ali por estupidez ou porque têm barriga grande, de rei...
Obrigada, reconheceram! apesar de uns resmungos. Mas eu cá vos espero com minha bengalinha... umas risquinhas talvez vos faça pensar...
e agora é definitivo.
Uma e quarenta e cinco.
E vou mesmo tentar dormir.

Comentários

Olá Ana Cristina !!

Dormiste bem ??
A pernoitar assim, ainda ficas cheias de sono ... !!
Deixa lá, o fim de semana está à porta ... !! loool

Credo ... não sejas tão dramática ... !!
Diabo seja surdo e mudo ... !! loool

Realmente barreiras arquitectónicas é o q mais existe ... !!
Mas ... se compararmos actualmente com 10 anos atrás, muita coisa foi feita nesse sentido ... !!
As passadeiras, à beira dos passeios, foram rebaixadas, foram criadas bastantes rampas, os autocarros são mais acessíveis e já não têm escadas como antigamente ... !!

É claro q ainda há muito pra fazer nesse sentido ... !!
E os políticos podiam muito bem arregaçar mais as mãos e pôr mãos à obra ... e tb as associações .... !!
Mas as coisas vão mudando lentamente, a um ritmo mais rápido quando pressionados por associações e movimentos e obras de e para deficientes físicos .... !!

Agora tb penso q é importante q cada um q sente essas barreiras deveria se pronunciar ... senão fica tudo na mesma ... !!
Uma ideia q se calhar não era má, era criar um portal ou fórum de barreiras arquitectónicas, e de cada vez q se encontrasse mais uma barreira, punha-se lá a que estabelecimento se refere (Igreja S. Cristovão, Restaurante BemComer, .... ), e em que cidade fica, e se calhar uma foto, e mais informações detalhadas .... !!
Q é pros srs políticos e autarcas tomarem conhecimentos das barreiras, e corrigi-las, criando rampas, ou outras alternativas ... !!

Vivam amigos.

Ana, tiveste mesmo muita sorte. E o facto de conseguires proteger-te a ti e ao teu amigo de cair no tal boraco.. foi um milagre de Deus.

Filipe, olha que por vezes a gente está numa de desportiva em relação a ideias, mas neste caso acho que a que tiveste, de um fórum, espaço..., dedicado a barreiras arquitectónicas, não era nada má. Aliás, esse espaço poderia muito bem ser o lerparaver, criando-se uma página em que as pessoas podessem reclamar sobre isso, e depois os moderadores (e porque não?) pessoas próximas dessa localidade ou com conhecimento, encaminhassem esse caso para quem de direito. Seria importante que fosse dado o ponto de situação, até tudo ficar resolvido. Que tal isto?

Daniel Serra e António Silva, se quiserem, no que puder ajudar... força!Contem com o meu apoio e, creio, de muitos dos nossos visitantes!

Abraços,

Tiago Duarte

Tiago Duarte

Olá Tiago e restantes !!

Essa foi exactamente a minha ideia q me surgiu .... !!
E claro q quando tava a falar nisso, não tava a brincar, mas sim a falar a sério ... !!
Eu às vezes sou brincalhão, mas cada coisa no seu lugar ... !!
E se fosse no lerparaver, tanto melhor

Até poderia ser do seguinte modo: introduziam-se as barreiras existentes, e à medida q iam ser corrigidas punha-se um visto, ou qq coisa do género ... !!
Deste modo permite ter uma ideia mais profunda sobre o q já se fez e o q falta fazer nesse campo ... !!

Outra ideia, era criar um wiki .... !!

Bom Dia, a todos os postantes!
Caros colegas:
Meu nome é Mônica, sou arquiteta há 25 anos, Brasileira, moro em Brasília e fiz mestrado estudando as implicancias do conforto Luminoso na escolas públicas para Portadores de baixa Visão.
Trabalho com construções de escolas públicas e um de nossos maiores desafios é a acessibilidade a todos os portadores de necessidades especiais nas escolas.
Estamos estudando a programação visual, os pisos tácteis e etc.
Ana, estamos engatinhando ainda nestas questões de acessibilidade.
Temos uma norma de construção, a ABNT NBR 9050 onde se trata de todos os aspectos que devam ser favorecidos para que se tenha uma cidade acessível.
Mas isso não acontece do dia para noite. Sei que vc pode se acidentar em um segundo, mas acredite: estamos fazendo o possivel para diminir essas chances. Mas não basta só a nossa vontade , em se tratando de orgãos públicos. faz-SE SE NECESSÁRIO A PROGRAMAÇÃO DE OBRAS, A VERBA DISPONÍVEL E O BARATEAMENTO DOS MATEIRAIS.
ASSIM, PODE TER A CERTEZA QUE CHEGAREMOS LÁ.
Um grande abraço.

anacristina
Uma vez, ia com o meu professor de mobilidade e encontrámos na rua, das obras mal feitas... um buraco que dava para uma pessoa se aleijar bem.
Que fizémos? eu ia com a bengala à frente, simulando que ia direita ao buraco e o professor tirou duas fotografias e enviou para a Câmara Municipal, com um e-mail de protesto.
Talvez essa seja a solução em alguns casos e ainda não tive oportunidade, porque quando a tiver é isso que vou fazer com estas escadas desprotegidas....

anacristina

Saudações,

Na realidade, nós já por várias vezes tivemos a ideia de criar uma secção semelhante à descrita, contudo, devido à falta de recursos humanos, nunca avançamos.

Nós consideramos que uma secção deste género pode ser bastante importante, embora achamos que infelizmente na maior parte dos casos, o desfecho não venha a ser positivo.

A ideia seria fazer algo de uma forma abrangente, que incluísse um leque alargado de problemas existentes, e não apenas barreiras físicas.

A questão é que fazer um mero repositório de reclamações de pouco vale, o importante é poder fazer o seguimento da reclamação. Contudo tal procedimento exige em primeiro lugar a confirmação da conformidade da informação, supressão de dados em falta, em alguns casos o juntar de provas, ou análise técnica, reporte à entidade competente e acompanhamento do desfecho.

Tudo isto requer algum tempo e dedicação e em alguns casos, algumas competências técnicas.

Como disse, o problema é que o Lerparaver com os colaboradores regulares que actualmente possui, não tem condições humanas para abraçar mais uma secção deste tipo, e não gostamos de iniciar nada que não tenhamos capacidade de levar a bom termo, ou que tenhamos de encerrar algum tempo depois.

Contudo, se houver voluntários para esta tarefa, pessoas que se responsabilizem por exemplo por uma área geográfica, um tipo de problema, teremos todo o gosto em criar as condições técnicas para tal secção, bem como apoiar de forma subsidiária estes colaboradores, podendo mesmo responsabilizarmo-nos directamente por uma área, como por exemplo acessibilidade web.

Quem estiver interessado em tal colaboração contacte-nos directamente, para que possamos ver se conseguimos criar condições para tal importante secção.

Oi !!

Eu penso q o mais importante é tomar a iniciativa ... e seguir em frente ...!!
Porque se os meios existirem, mais tarde ou mais cedo, todos, ou quase todos vão sentir necessidade de os consultar e de os fazer cumprir ... !!
A um tal ponto, torna-se um trabalho tão colaborativo, que todos vão querer participar ... !!

Eu vou dar um exemplo:
Alguém algures teve a ideia de criar a wikipédia
No início, não tinha nada, tava completamente careca
E agora ?? È uma super enciclopédia ...
Porquê ?? Porque as pessoas foram sentindo a necessidade de introduzir info sobre a sua área de residência, e sobre outras áreas de interesse.
E hoje em dia, todo o mundo vai consultá-la, e quer melhorá-la com mais infos
É uma bola de neve q não para de crescer .... !!

Eu acho q a secção de reclamações do lerparaver pode chegar um dia a patamares bastante bons, com imensa gente comprometida, ....
Mas o importante é começar .... e depois o tempo dirá ... !! lool

Eu posso me responsabilizar pela área de Santo Tirso ... !!
Mas não contem comigo a tempo inteiro ... pois tenho uma vida social mto activa ... !!
Mas posso ir verificando se determinadas barreiras foram corrigidas ... !!

Olá José Filipe,

As coisas não são assim tão líricas como dizes, embora percebo e compreendo a tua ideia.

Falas da wikipédia, mas para que tenha tido sucesso, certamente no início várias pessoas devem ter-se empenhado bastante em a dinamizar para que depois pudesse andar sozinha.

É verdade quando dizes que a partir de um determinado ponto, as pessoas querem colaborar, e as coisas fluam com naturalidade, mas também é verdade que para que atinjam esse ponto é necessário que alguém se empenhe bastante em as dinamizar, é necessário atingir primeiro o ponto crítico de auto-sustentação. E mesmo quando atingem esse ponto, é importante haver uma estrutura de suporte sólida.

Não conheço o funcionamento da estrutura da wikipédia, mas acredito que apesar de ser auto-sustentável, na realidade, devem existir várias pessoas que se dediquem várias horas por dia e que nem todas sejam voluntárias. É o que acontece com todos os projectos de sucesso, mesmo os de código aberto.

Deste realmente um bom exemplo, mas na realidade existem milhares de wiks por esse mundo fora, sendo que apenas uma pequena parte se tornou relevante.

O sistema colaborativo e voluntário conduz a bons exemplos de sucesso, mas a maior parte das tentativas acaba por fracassar, muitas delas por falta de tempo e empenho.

Não basta apenas ter uma boa ideia, é necessário ter tempo, colocá-la em prática e dinamizá-la, e nós por si só não temos tempo para tal.

A comunidade virtual do Lerparaver não tem ainda a dimensão suficiente para auto-dinamizar uma secção, sem ter ninguém encarregue de tal tarefa.

Penso que aqui o importante para quem dinamiza não é a verificação se o problema já foi resolvido, essa deve ser a tarefa de quem inicialmente reclamou, já que é o principal beneficiário. Aqui a principal tarefa de dinamização é juntar toda a informação necessária para que se possa apresentar uma reclamação fundamentada a quem de direito.

Se queremos que as reclamações tenham sucesso, elas tem de ser bem apresentadas e tal não acontece sem trabalho.

Olá !!

Eu estava-me a referir a wikipedia.org .... !!
É claro q hoje em dia existem milhares de wikis ... !! looool
Só aqui no meu serviço, no último mês apareceram 3 novos wikis ... !! looool
Um wiki é um bom meio para juntar documentação ... e pra obter feedback ... !! loool
Mas ... apesar de todos os wikis espalhados por todo o mundo, a wikipedia.org tem melhorado significativamente ... ainda recentemente tiveram um donativo de milhões .... !! looool

Relativamente à secção de reclamações do lerparaver ....
Em que é que consiste juntar toda a documentação ??
Tem a ver com trabalho de advogados ou não ??

Há uns três anos, levei um tombo extraordinário. Andava por calçadas conhecidas, mas não sabia de obra recente que por lá se fazia. Abria-se a passagem para uma garagem subterrânea e, assim, formava-se degrau com mais de um metro de altura. Durante a semana, alguns cavaletes protegiam qualquer passante desavisado, pois impediam que tal degrau fosse transposto. Contudo, passei num domingo e os cavaletes não estavam por lá. De súbito, o chão desapareceu, larguei a bengala e caí com as mãos espalmadas sobre areia e tijolos. O sangue brotou-me com fartura. Durante mês e meio, senti dores e caminhei com dificuldade.
Mas hei de ser sincero. Também eu tive minha parcela de culpa. Batia a bengala com a ligeireza de um espadachim. Passadas largas, pulsação acelerada, imprudência sem medida. Para que tanta pressa? Conheci cegos que apreciavam mostrar habilidade e coragem. Cada manobra mais arriscada era o indício de sua superioridade. Não, não pertenço a esta categoria de insensatos. Pertenço a outra: a dos ansiosos. Tenho certa inquietude de espírito que se comunica diretamente aos braços e as pernas. Em casa, na rua e no trabalho: sou assim, agitado por natureza e imprudente por conseqüência. Como não tenho qualquer orgulho deste defeito, tenho sido bastante repressivo com a manifestação desta natureza.

anacristina
Mas isso é normal, uma vez que não estavas informado do perigo.
Todos nós, quando conhecemos algum local, andamos mais depressa. Mas agora é imprudente.
O que se trata é do facto de não haver referências que nos indiquem o grande perigo que corremos e isso é que me fez escrever este texto, ao menos para os senhores que fazem obras que tenham o mínimo cuidado pois cegos podem mesmo perder a vida!
E depois... a culpa não é de ninguém!

anacristina

são coisas de cego e isso se estivesse com outro ao seu lado, com certezagargalhadas não seriam evitadas.

Olá Ana!!

Que nome bonito você tem!! lol

Aqui no Brasil as coisas são ainda piores, as ruas não são nem um pouco adequadas aos deficientes visuais.
Mas tenho fé que isso vai mudar!

Um grande beijo para você e muito sucesso na sua vida, porque toda Ana merece muito sucesso!! lol

Beijos.

Meu site:
Peças Automotivas Usadas

Olá Ana Cristina,
Já voltaste a dormir bem? Eu também passei umas noites sem dormir recentemente, acho que foi por causa de alguns periodos de sono irregulares que enfrentei. Mas enfim, já estou bem e espero que também estejas. A propósito, achei o seu blog muitíssimo interessante, destaca-se do outros...
Eu na verdade estou a escrever esse comentário porque quero pedir-te um favor, esta bém?
Vou primeiramente me introduzir, se me permites: Sou o Vinícius, estou cursando o 12º ano do curso de ciências e tecnologias e estou desenvolvendo, juntamente com uns amigos, um trabalho no âmbito da disciplina Área de Projecto em que abordamos um tema estritamente relacionado com a cegueira, onde queremos inicialmente fazer um levantamento de todas as dificuldades enfrentadas pelos invisuais no dia a dia, dando ênfase aos problemas que são relativamente simples mas não são solucionados por negligência das autoridades.
Gostava de saber, em nome do meu grupo, se tu estarias disponível a nos ajudar no desenvolvimento desse trabalho dando-nos uma entrevista (nem que seja pela internet). Ficaríamos muitíssimo gratos.